PUBLICIDADE

PrEP é ideal para mulheres que desejam engravidar de seus parceiros soropositivos; saiba mais

Profilaxia Pré-Exposição ao HIV é oferecida pelo Sistema Único de Saúde a pessoas em vulnerabilidade para o vírus da Aids

28 abr 2023 - 05h00
Compartilhar
Exibir comentários
Imagem meramente ilustrativa de uma pessoa segurando comprimidos de remédio
Imagem meramente ilustrativa de uma pessoa segurando comprimidos de remédio
Foto: Sara Jurado / iStock

O número de pessoas que recorrem à PrEP (Profilaxia Pré-exposição) para se prevenir do HIV tem crescido. De janeiro a março deste ano, o Ministério da Saúde registrou 12.343 novos membros. No mesmo período do ano passado, foram 8.393.

Os dados foram publicizados, inicialmente, pelo "G1 DF" e depois confirmados pelo Terra em consulta ao Painel PrEP do governo federal. Em dezembro passado, o tratamento passou a ser liberado também para adolescentes, a partir dos 15 anos.

A profilaxia, que hoje existe em duas modalidades - diária e sob demanda -, é uma forma de evitar a contaminação pelo vírus da Aids antes do contato sexual. Segundo a infectologista Raquel Bandeira, a PrEP é ideal para mulheres que desejam engravidar de seus parceiros soropositivos.

A profilaxia é também indicada para quem:

  • costuma não usar preservativo nas relações sexuais, sejam anais ou vaginais;
  • apresente histórico de episódios de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs);
  • faça uso repetido de PEP (Profilaxia Pós-exposição ao HIV);
  • se prostitua;
  • seja adepto de "chemsex", expressão em inglês para a prática de "sexo químico", que demanda o uso de substâncias psicoativas para "turbinar" as experiências sexuais.

Além desses exemplos, qualquer pessoa em situação de vulnerabilidade para o HIV pode se proteger com a PrEP.

Como usar a PrEP?

Os interessados devem procurar um serviço de saúde pública para saber se tem indicação e, em caso positivo, obter a medicação. No site do Ministério da Saúde, há uma lista postos, com endereços e contatos

Em quanto tempo a PrEP faz efeito?

Tradicional, a PrEP de uso contínuo (diária) garante proteção após sete dias de uso para os homens e a partir do 20º dia para as mulheres. Já com a PrEP sob demanda, recém-adotada pelo Ministério da Saúde e até então indicada apenas para homens, a proteção ocorre mais rápido. 

A versão para uso eventual consiste na ingestão de dois comprimidos de uma vez de duas a 24 horas antes da relação sexual. Depois de 24 horas, o indivíduo deve tomar mais um comprimido, após repetir o mesmo intervalo, tomar o último remédio.

Segundo a infectologista, mulheres não podem fazer uso da PrEP sob demanda porque concentram menos o medicamento no tecido vaginal.

Quais os efeitos colaterais da PrEP?

Raquel ressalta que os efeitos são "mínimos e toleráveis". Algumas pessoas podem ter náusea ou uma leve dor de cabeça nos primeiros dias. "A náusea ocorre quase umas 10 horas, 12 horas depois do uso da medicação, então uma maneira muito eficaz é tomar [a PrEP] de manhã porque aí, quando ela tiver o efeito, a pessoa já vai estar dormindo e não vai sentir nada", sugere a médica.

Quem não pode tomar PrEP?

Como se trata de uma medicação de prevenção ao HIV, pessoas com diagnóstico positivo não podem fazer uso. Do mesmo modo, indivíduos com graves disfunções renais também estão restritos. Além disso, se recomenda que pessoas com osteoporose evitem a substância.

Fonte: Redação Terra Você
Compartilhar
Publicidade
Publicidade