PUBLICIDADE

Pessoas com Síndrome de Asperger são mais inteligentes? Entenda a condição

Hoje é o Dia Internacional da Síndrome de Asperger, transtorno que pertence ao espectro autista

18 fev 2022 11h13
| atualizado em 22/2/2022 às 10h40
ver comentários
Publicidade
Conheça a Síndrome de Asperger
Conheça a Síndrome de Asperger
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Hoje, sexta-feira (18), é o Dia Internacional da Síndrome de Asperger, uma data simbólica para conscientizar as pessoas sobre a importância de detectar e tratar corretamente o transtorno que pertence ao espectro autista. A condição, na verdade, trata-se de uma alteração comportamental genética, que interfere nas interações sociais do paciente.

A pessoa com Síndrome de Asperger costuma ter maiores dificuldades para se relacionar com outros indivíduos e, geralmente, direciona toda sua atenção para assuntos específicos. Dessa maneira, acaba desenvolvendo um foco acima da média para determinados tópicos. Algo que, por vezes, a faz parecer mais inteligente do que o restante.

Asperger não aumenta a inteligência

No entanto, a ideia de que as pessoas com Síndrome de Asperger são mais inteligentes pode ser perigosa. O que acontece, na verdade, é que esses indivíduos possuem um foco especial para um ou dois assuntos específicos, algo que pode levá-los ao sucesso nessas áreas. Mas, o problema ocorre quando tudo isso vira um argumento para minimizar o cuidado necessário para um desenvolvimento completo de quem possui a condição - fator fundamental para o bem-estar.

"Pessoas com Síndrome de Asperger podem apresentar determinadas inteligências, mas falham na cognição que é, também, uma inteligência. Por isso, deve-se ter todo cuidado educacional e no desenvolvimento cognitivo para que possam se enquadrar melhor na sociedade e contribuir com ela", afirma o neurocientista, Dr. Fabiano de Abreu Agrela, membro da Society for Neuroscience.

De acordo com o especialista, a Síndrome de Asperger não tem cura. Porém, existem diversos tratamentos que podem atenuar os efeitos negativos associados à condição. "Eles têm dificuldades em entender situações sociais e formas sutis de comunicação, como linguagem corporal, humor e sarcasmo. Os interesses podem se tornar obsessivos e interferir na vida cotidiana", explica.

Principais sintomas

  • Uma obsessão intensa com um ou dois assuntos específicos e estreitos;
  • Não usar ou compreender a comunicação não verbal, como gestos, linguagem corporal e expressão facial;
  • Fala que soa incomum, como plana, aguda, silenciosa, alta ou robótica;
  • Ficar chateado com quaisquer pequenas mudanças nas rotinas;
  • Memorizar facilmente informações e fatos preferidos;
  • Não entender bem as emoções ou ter menos expressão facial do que os outros;
  • Interações sociais inadequadas ou mínimas;
  • Conversas que quase sempre giram em torno de si mesmas ou de um determinado tópico;
  • Dificuldade para gerenciar emoções, às vezes levando a explosões verbais ou comportamentais;
  • Comportamentos auto-agressivos ou birras;
  • Hipersensibilidade a luzes, sons e texturas;
  • Não entender os sentimentos ou perspectivas de outras pessoas.

"A Síndrome de Asperger corresponde a um conjunto reconhecível de atipicidades, apesar de uma existência instável na nosografia psiquiátrica. Mais uma condição do que um transtorno, merece reconhecimento como uma entidade isolada dentro do espectro do autismo, em particular porque isso é benéfico para aqueles que se identificam com ele. Em comparação com pessoas com autismo prototípico, os indivíduos Asperger têm interesses intensos e enfrentam questões motoras, afetivas e adaptativas distintas", conta o Dr. Agrela.

Diagnóstico e tratamento

Segundo o especialista, o diagnóstico da Síndrome de Asperger deve ser realizado por uma equipe médica multidisciplinar. O paciente que possui a condição deverá receber acompanhamento médico para ajudá-lo a construir uma interação social melhor. O tratamento pode ser através de intervenções terapêuticas e medicamentosas. No entanto, a orientação psicológica também é fundamental para que o indivíduo desenvolva um autoconhecimento.

"As pessoas Asperger podem contribuir para o progresso da sociedade e merecem o pleno reconhecimento de seus direitos e individualidades dentro de um mundo neurodiverso", finaliza o Dr. Agrela.

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade