6 eventos ao vivo

Na luta contra o câncer, homem quer vender barba por R$ 3 mi

O australiano Jimmy Niggles, fundador da instituição de caridade Beard Season, colocará sua barba à venda para aumentar a conscientização sobre o câncer de pele

5 mar 2015
13h09
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Jimmy Niggles
Jimmy Niggles
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Fundador da instituição de caridade Beard Season, Jimmy Niggles quer vender sua barba icônica para aumentar a conscientização das pessoas sobre o câncer de pele. Rosto conhecido das mídias sociais, o ativista australiano está disposto a voltar a ter a cara limpa em prol da organização que ele mesmo criou após a morte de um amigo, vítima da doença, também chamada de melanoma, há quase cinco anos.

Siga Terra Estilo no Twitter

“Estou tentando vendê-la por um milhão de dólares (cerca de R$ 3 milhões). Colocamos no mercado ano passado em um festival criativo na Austrália. Agora colocarei à venda no nosso website a partir deste fim de semana. As ofertas estão abertas, mas espero que consiga muita mais que um milhão de dólares. Basicamente, quero tirar a barba e colocá-la em um quadro de vidro como um trabalho de arte exibido com toda a história da Beard Season e o que ela se tornou”, contou Niggles em entrevista exclusiva ao Terra durante a abertura da exposição Beard em Londres.

Segundo Jimmy, caso ele tenha sucesso em vender sua barba, que completará cinco anos de “existência” este mês, toda a renda será revertida para a pesquisa e ações com o intuito de salvar vidas e prevenir o câncer de pele.

“Somos uma instituição de caridade de promoção da saúde sem fins lucrativos. Todo esse dinheiro será usado para ajudar a nos estabelecer como uma organização global. Chegamos até aqui sem orçamento e, com um milhão de dólares, acho que conseguiremos tornar isso algo maior. Vamos continuar focando na conscientização e ação, como sempre fizemos, sobre o melanoma e o câncer de pele”, explicou.

Na ocasião, Niggles também falou sobre a importância de reconhecer os sintomas da doença. “Queremos aumentar a conscientização do que as pintas [no seu corpo] são e como elas podem mudar. Queremos motivar as pessoas a irem ver o médico ou dermatologista para averiguá-las, porque se diagnosticada cedo, a doença pode ser tratada mais facilmente”.

Exibição Beard
Para apoiar a causa de Jimmy Niggles, o fotógrafo inglês Brock Elbank deu início ao #Project 60 no final de 2013, clicando 60 pessoas com barbas para aumentar a conscientização sobre a Beard Season.

Após 18 meses de muito trabalho, o projeto atingiu grandes proporções e acaba de ganhar uma exposição com entrada gratuita, que fica em cartaz até o dia 29 de março, na Somerset House, em Londres, contemplando as imagens originais do início do projeto, além de fotos inéditas especialmente tiradas para a mostra.

“Eu gosto de diversidade. Poderíamos ter fotografado 600 hippies que parecem com Ricki Hall, mas este não era o ponto. São todos personagens interessantes. E isso é o que todo mundo diz para mim, ‘por que você fotografou a barba deles?’ Algumas pessoas não fotografei apenas pela barba, mas também por outras características físicas, como os olhos ou um rosto marcante. Por isso fotografamos quem fotografamos”, explicou Elbank sobre o critério de escolha dos participantes.

Já segundo Jimmy, ter todo o trabalho compilado em uma exposição ajuda as pessoas a entenderem melhor a mensagem por trás de toda campanha.

“Essa exibição mostra o poder e a natureza inspiradora da barba e o que ela significa para cada pessoa. A fotografia de Brock cria ícones destas pessoas. Quero que todos perceberam que não é apenas uma barba espetacular, alguém cheio de personalidade, mas sim o poder do que isso significa. Se todo mundo pegar essa mensagem de checar a pele e salvar a vida de alguém, então essas são barbas muito poderosas, de fato”.

Entre as 70 imagens da exposição há a presença de um brasileiro, o dançarino Ricardo Araújo, uma drag queen, Stefan ‘Madame Heinz’ Bostrom, o ator inglês John Hurt e apenas uma mulher, a britânica Harnaam Kaur, que sofre de síndrome de ovário policístico e cresce a barba desde os 16 anos de idade.

Harnaam Kaur
Harnaam Kaur
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

“Harnaam Kaur é a dama da exposição. Eu e Jimmy a encontramos como um trabalho de detetive nas mídias sociais e entramos em contato com ela. Devido ao fato que ela segue a religião Sikhismo, ela não deve fazer mudanças em seu corpo. Ela teve uma experiência de vida desafiadora. É uma garota fantástica, muito positiva e abraçou quem ela é, e isso acrescentou muito à serie”, disse Elbank.

Barba: para sempre ou passageira?
Em alta no momento, a barba dividiu as opiniões de Jimmy Niggles e Brock Elbank quando questionados se a tendência veio para ficar.

“Acho que é mais do que uma tendência. Barbas tiveram vários períodos diferentes ao longo da história, mas acho que estamos entrando e fazendo durar a aceitação e apreciação por barbudos. Só temos que olhar essas fotos e ver que as barbas se encaixam perfeitamente no seu rosto e, suponho, que estendem sua personalidade”, disse Niggles.

Por outro lado, Elbank acredita que trata-se apenas da moda do momento. “É uma tendência. Se você olhar os hippies no final dos anos 60, eles tinham barba. De lá passamos por homens metrossexuais, com a cara limpa, agora meio que voltou. Claro que vai mudar novamente, é moda. Claro que há muitas das barbas aqui, como Frank Moon, que tem crescido a barba por 54 anos, ou Tim Howard, que tem barba há anos… Acho que sim, essa tendência de barba estará aqui por enquanto, mas modas e tendências vão e vêm”, finalizou.

John Hurt
John Hurt
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

 Billy Huxley
Billy Huxley
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Miles Better
Miles Better
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Brandon Baker
Brandon Baker
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Ricki Hall
Ricki Hall
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Stefan Bostrom
Stefan Bostrom
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Frank Moon
Frank Moon
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Edwin Venn
Edwin Venn
Foto: Brock Elbank/ Divulgação

Veja também:

Venezuela: os trabalhadores da saúde com salários de US$ 4 por mês e sem equipamentos de proteção
Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade