PUBLICIDADE

Arritmia cardíaca pode atingir 1 em cada 4 pessoas; veja os sintomas

Sem o diagnóstico e tratamento correto, a arritmia cardíaca pode evoluir para um quadro grave, levando à morte súbita

1 mai 2023 - 08h02
(atualizado em 2/5/2023 às 16h55)
Compartilhar
Exibir comentários
Arritmia cardíaca pode atingir 1 em cada 4 pessoas; veja os sintomas -
Arritmia cardíaca pode atingir 1 em cada 4 pessoas; veja os sintomas -
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Arritmia cardíaca é o nome dado a qualquer descompasso no ritmo do coração. Pode ser desde uma coisa simples, sem perigo e muitas vezes sem sintomas, até quadros sintomáticos graves, como desmaios, falta de ar e palpitações, por exemplo.

Segundo a Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC), a arritmia cardíaca é responsável pela morte súbita de aproximadamente 300 mil brasileiros todos os anos, sendo que a doença pode acometer 1 em cada 4 pessoas ao longo da vida.

Essa condição pode ser assintomática e, quando sintomática, costuma ter origem

psicológica ou resultado de um desequilíbrio do próprio órgão. Além disso, a arritmia pode se apresentar na forma de taquicardia, quando o coração bate rápido demais, ou como bradicardia, quando as batidas são muito lentas. Nos casos graves, pode levar à morte súbita.

Fatores de risco

Segundo o Dr. Claudio Catharina, Gestor da Unidade Coronariana do Hospital Icaraí (HI), até mesmo crianças são passíveis de apresentar quadro de arritmias cardíacas. No entanto, as maiores porcentagens de casos são de pacientes em idade reprodutiva que possuem doenças cardíacas ou já sofreram parada cardíaca, bem como naqueles que têm histórico de doenças na família.

"Pacientes com histórico de doença ateroesclerótica cardíaca e pessoas com diabetes, pressão alta, doenças cardíacas relacionadas ao infarto, a miocardites, doença de Chagas, doenças de válvulas e acometimento dos feixes elétricos do coração devem ficar atentas e manter um tratamento contínuo com o médico cardiologista", alerta o Dr. Claudio.

Além disso, o especialista adiciona aos fatores de risco a diabetes, hipertensão, colesterol alto, tabagismo, obesidade e sedentarismo, entre outros.

Sintomas 

É preciso sempre ficar atento aos sintomas de alarme como: 

  • Desmaios;
  • Dor no peito;
  • Tonturas;
  • Falta de ar.

O médico destaca que a arritmia cardíaca pode ter graves consequências se não diagnosticada e tratada corretamente. "É preciso estar atento quando se tem uma doença que compromete a função das válvulas ou do músculo cardíaco. Há também casos de doenças relacionadas ao sistema elétrico e canalicular que podem ser graves e levar à morte", alerta.

Prevenção 

Para o cardiologista, é preciso ter uma qualidade de vida com pouco estresse e uma boa alimentação. Além disso, mudar os maus hábitos alimentares e reduzir o colesterol ruim (LDL), além de praticar uma atividade física com supervisão e indicação do médico.

"Antes de começar alguma atividade física, é preciso fazer um eletrocardiograma e, se possível, um teste ergométrico. Outra dica é parar de fumar, beber e cuidar da alimentação", diz.

O médico afirma ainda que o tratamento é extremamente variável e individualizado, de acordo com o paciente. "Pode ser um remédio. Em outros casos, pode ser indicado o implante de um dispositivo para monitorar e tratar a doença e, ainda, procedimentos de ablação de arritmia, feitos pelo cateter cardíaco", finaliza o cardiologista.

Saúde em Dia
Compartilhar
Publicidade
Publicidade