PUBLICIDADE

Após raio-X com tênia viralizar, entenda diferença entre cisticercose e solitária

Infectologista explica como as parasitoses se manifestam no corpo do indivíduo e suas diferentes formas de tratamento

20 abr 2023 - 10h49
(atualizado às 14h50)
Compartilhar
Exibir comentários
Radiografia de uma pessoa com cisticercose
Radiografia de uma pessoa com cisticercose
Foto: Reprodução/ Twitter @vitorborin_

O diagnóstico de uma pessoa com cisticercose virou assunto no Twitter no último fim de semana. O caso veio à tona a partir de um post feito pelo médico generalista Vitor Borin, gerando curiosidade e surpresa sobre a doença, ao mostrar a imagem de uma radiografia que destaca a presença do agente parasitário.

Cisticercose é uma doença causada pela ingestão dos ovos de um parasita chamado tênia, mais especificamente o Taenia Solium. Trata-se do mesmo ser vivo que provoca a teníase, doença conhecida como solitária. Mas há diferenças básicas entre as duas manifestações do parasita. Entenda:

O indivíduo costuma contrair cisticercose através da ingestão de água ou alimentos como frutas e legumes contaminados.

"O ser humano vai ingerir esses ovos, que vão chegar até o intestino. Do intestino, eles conseguem passar pela corrente sanguínea, vão ficar alojados em alguma parte do corpo, como coração, cérebro, olhos e até nos músculos e vão formar as larvas conhecidas como cisticercos", explica o infectologista Cristiano Galvão de Melo, coordenador da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital Vila da Serra, de Minas Gerais, em entrevista ao Terra.

Os casos mais graves ocorrem quando as larvas liberadas por esses ovos chegam ao cérebro, provocando uma neurocisticercose. É quando a doença chega a causar convulsões, sinais de aumento da pressão intracraniana, meningite e danos neurológicos.

Já a teníase ocorre pela ingestão direta das larvas, geralmente em carnes mal cozidas. "O ser humano ingere essas larvas que vão chegar até o intestino, se desenvolver e aumentar de tamanho, podendo atingir o tamanho bem grande que a gente conhece popularmente como solitária", diferencia o médico.

Como é feito o diagnóstico?

Melo explica que o diagnóstico da cisticercose depende do local onde o cisticerco estiver implantado, pois são os sintomas que vão guiar a análise. Por exemplo, se estiver nos olhos, o indivíduo terá sintomas como dor na vista, visão tura ou até cegueira. Nesses casos, o problema seria identificado por meio de tomografia computadorizada ou ressonância magnética.

Quanto à teníase, como há liberação de vermes, o diagnóstico é feito através do exame de fezes. Vale ponderar, no entanto, que essa liberação é intermitente, portanto, o ideal é fazer mais de um exame - geralmente três, em dias alternados - a fim de identificar a parasitose.

Qual o tratamento para as doenças?

Em caso de cisticercose, nem sempre o paciente vai demandar tratamento. O médico afirma que o tratamento é feito quando há comprometimento cerebral (neurocisticercose) ou cisticercose ocular.

Esses pacientes são tratados com antiparasitários e, em alguns casos, também com corticoides. "Pra diminuir o edema cerebral que vai ser gerado pelo processo inflamatório damorte do cisticerco no cérebro", pontua Melo.

Quando o comprometimento é muscular ou na pele, a medicação tem pouco efeito. Se houver sintomas, o único meio de tratar pode ser via intervenção cirúrgica para retirada dos cisticercos.

Em relação à teníase, o tratamento também usa remédios antiparasitários. O médico afirma que eles vão ser eficazes para garantir a morte do parasita no intestino. 

Mas mesmo após o tratamento, é possível que o indivíduo continue eliminando pedaços de tênia nas fezes. Por isso, é importante refazer os exames três meses depois para se certificar de que o tratamento foi completamente bem sucedido.

Como prevenir essas doenças?

As medidas de prevenção são semelhantes, já que são doenças ligadas às condições de saneamento básico. Confira as principais recomendações são:

  • sempre beber água filtrada;
  • evitar regar plantas com água suja;
  • não fazer necessidades fisiológicas ao ar livre;
  • higienizar as mãos após cada ida ao banheiro para evitar levar a mão contaminada a boca;
  • lavar bem frutas e verduras;
  • evitar a ingestão de carnes mal cozidas.
Fonte: Redação Terra Você
Compartilhar
Publicidade
Publicidade