PUBLICIDADE

Dia Nacional da Saúde: como a inteligência artificial pode te ajudar

Especialista destaca que 'tecnologia da saúde' facilita na hora da consulta e atendimento

5 ago 2021 09h55
ver comentários
Publicidade
Segundo especialista,
Segundo especialista,
Foto: Shutterstock / Saúde em Dia

Nesta quinta-feira, (5/8), é celebrado o Dia Nacional da Saúde (5/8). A data foi escolhida em homenagem ao aniversário do sanitarista Oswaldo Cruz, com o o objetivo de trazer à tona a importância dos cuidados com a saúde e bem-estar da população.

Durante a pandemia, a inteligência artificial tem ajudado as pessoas a cuidarem da saúde, principalmente pelo fato de desafogar os consultórios médicos e também é possível obter respostas mais rápidas por meio de algumas tecnologias.  

É o caso da Laura, tecnologia voltada para cuidados da saúde, que utiliza a inteligência artificial, uma ferramenta que pode servir como braço direito dos profissionais da saúde, ao realizar a gestão e coordenação dos pacientes.

Segundo o Dr. Hugo Morales, diretor médico e cofundador da Laura healthtech (tecnologia da saúde), com a telemedicina se mostrando tão eficiente, segura e, até mesmo democrática para os pacientes, as ferramentas tecnológicas, que até então tinham uma atuação muito tímida na promoção à saúde, passaram a ganhar destaque no último ano e se mostraram tão válidas e assertivas quanto os métodos tradicionais.

O especialista diz que existem duas finalidades no aplicativo, são elas a intra e extra hospitalar. Dentro dos hospitais, há a "Laura Inteligência Clínica" que se conecta com os prontuários eletrônicos dos pacientes e faz o acompanhamento dos dados dos pacientes (sinais vitais, exames laboratoriais, medicamentos entre outros), emitindo alertas para a equipe encarregada e auxiliando nas tomadas de decisão.

"Já fora dos hospitais, foi desenvolvido o Laura Care, que auxilia operadoras de saúde, secretarias de saúde e empresas. Aqui, a tecnologia serve para auxiliar no desafogamento das instituições de saúde por meio de pré-anamnese, classificação de riscos e acompanhamento dos pacientes, sem a necessidade do deslocamento desnecessário ao hospital ou consultório", explica o especialista.

A partir das análises dos sintomas descritos, a Inteligência Artificial é capaz de dar os direcionamentos necessários àquela pessoa, seja fazendo o acompanhamento e monitoramento com a própria assistente virtual, direcionando para um teleatendimento ou, caso necessário, encaminhar para um hospital parceiro, que já terá em mãos todo seu histórico. A 'Laura Care' também pode auxiliar no monitoramento pós-alta hospitalar, acompanhando aqueles pacientes que precisam de maiores cuidados após a internação.

A 'Laura' trabalha no formato B2B2C. Sendo assim, o recurso está disponível para os beneficiários das operadoras de saúde parceiras e pacientes de hospitais que utilizam a nossa tecnologia.

A tecnologia, como um todo, vem como um complemento e um facilitador para a gestão do cuidado dos pacientes. Mesmo no chamado "pós-pandemia", o recurso auxiliará, e muito, aqueles que têm rotinas muito cheias e acabam negligenciando os cuidados com a própria saúde por falta de tempo, tornando o processo mais ágil, simples e dinâmico.

Telemedicina:

Além disso, as consultas remotas também são uma ótima forma de ter um direcionamento claro sobre a real necessidade de ir a um hospital no momento ou se as orientações via ambiente digital serão suficientes em um determinado caso.

Vale ressaltar, que o recurso não vem substituir uma ida ao consultório, mas sim facilitar que as pessoas cuidem da saúde nesse período de pandemia. "A tecnologia é justamente uma oportunidade de humanização do cuidado: temos que deixar o robô cuidar de processos automatizados e mecânicos e deixar o profissional de saúde ter mais tempo produtivo para criar vínculo e cuidar do paciente", finaliza o Dr. Hugo Morales, diretor médico e cofundador da Laura, healthtech.

Consultoria: Dr. Hugo Morales, diretor médico e cofundador da Laura, healthtech.

Saúde em Dia
Publicidade
Publicidade