PUBLICIDADE

Conjuntivite: saiba como prevenir e tratar essa condição ocular

Entenda os diferentes tipos de conjuntivite e o que fazer para ficar longe desse problema

19 jun 2024 - 19h27
(atualizado em 20/6/2024 às 09h09)
Compartilhar
Exibir comentários

A conjuntivite é uma condição ocular que se torna ainda mais comum durante as estações mais frias. Isso porque, nessas épocas do ano, as pessoas costumam ficar em ambiente fechados e ter mais contato com alérgenos, como os ácaros acumulados em roupas e cobertas guardadas no armário.

Conheça os principais sintomas da conjuntivite e o que fazer para tratá-la |
Conheça os principais sintomas da conjuntivite e o que fazer para tratá-la |
Foto: user18526052/Freepik / Boa Forma

"No frio, temos o hábito de permanecer em locais sem ventilação, o que facilita a propagação de vírus entre as pessoas e o acúmulo de poeira e ácaros, aumentando as chances de problemas nos olhos", explica a Dra. Samantha de Albuquerque, oftalmologista e consultora da HOYA Vision Care.

A seguir, confira o que é a conjuntivite, os sintomas dessa doença, como evitá-la e mais informações!

O que é conjuntivite?

De acordo com o  Dr. Daniel Kamlot, oftalmologista, a conjuntivite é a inflamação da conjuntiva, que desempenha funções como a proteção contra corpos estranhos e microrganismos e a manutenção da lubrificação ocular.

"A conjuntiva é uma membrana fina e transparente que recobre a esclera (o 'branco do olho')", explica a Dra. Samantha. 

O que causa conjuntivite?

A conjuntivite pode ser causada por reações alérgicas (quando substâncias irritantes, como poluição, ácaro, poeira, maquiagem e pólen, atingem os olhos), vírus, bactérias e até mesmo fungos.

"As conjuntivites virais e bacterianas são infecciosas e podem ser transmitidas. Em ambos os casos, há olho vermelho e sensação de cisco no olho. Nas virais, acontece bastante lacrimejamento, enquanto nas bacterianas, existe uma secreção mais abundante", fala Albuquerque.

As conjuntivites alérgicas não passam de pessoa para pessoa, segundo a Dra. Mylene Matsuhara, oftalmologista do Instituto de Olhos Minas Gerais e membro da Sociedade Brasileira de Visão Subnormal.

"Muitas vezes, a conjuntivite alérgica pode estar associada à rinite", completa o Dr. Daniel.

Transmissão da conjuntivite

O médico conta que a conjuntivite, principalmente a viral, é transmitida pelo contato direto com as secreções oculares de uma pessoa infectada ou com superfícies e objetos contaminados.

"Se você tocou em uma maçaneta contaminada e coçou o olho, por exemplo, pode acabar contraindo o problema", revela Kamlot.

Sintomas de conjuntivite

Os principais sintomas de conjuntivite são:

  • Vermelhidão ocular;
  • Sensação de ardência e de areia nos olhos;
  • Lacrimejamento;
  • Sensibilidade à luz;
  • Visão embaçada;
  • Pálpebras inchadas;
  • Coceira;
  • Secreção.

"Na bacteriana, acontece uma quantidade maior de secreção. Na viral, a irritação e a sensação de areia nos olhos são os sintomas que tendem a incomodar mais o paciente. Na conjuntivite alérgica, a coceira e o inchaço das pálpebras são mais frequentes", detalha o Dr. Daniel.

Como tratar conjuntivite?

"O diagnóstico ocorre por meio de uma avaliação clínica detalhada, incluindo a história médica do paciente e um exame físico dos olhos. Em algumas situações, pode ser recomendada a coleta de uma amostra da secreção ocular para análise laboratorial", aponta o Dr. Tiago César Pereira Ferreira, oftalmologista especialista em cirurgia refrativa, catarata, lentes de contato e ceratocone.

O tratamento é determinado de acordo com a causa da conjuntivite, ou seja, se é bacteriana, viral, alérgica ou fúngica.

"Nas conjuntivites alérgicas, além de compressas frias e lubrificante, são indicados colírios antialérgicos. Nas bacterianas, podem ser prescritos colírios com medicamentos antibióticos. Nas virais, apenas colírios para alívio dos sintomas", resume a Dra. Samantha.

O tempo para a melhora da conjuntivite também varia. "Os quadros virais podem demorar de 5 a 7 dias, a bacteriana pode durar um pouco mais, e a alérgica costuma ser resolvida mais rapidamente", afirma a consultora da HOYA Vision Care.

"Em casos de conjuntivite alérgica, pode não ser necessário o afastamento das atividades diárias. No entanto, para conjuntivites virais e bacterianas, esse cuidado é importante para evitar o contágio", alerta o oftalmologista.

Prevenção da conjuntivite

Para prevenir a conjuntivite, Ferreira diz que é indispensável:

  • Manter uma boa higiene ocular;
  • Lavar as mãos regularmente;
  • Não tocar os olhos com as mãos sujas;
  • Não compartilhar objetos pessoais, como toalhas e maquiagem;
  • Manter as lentes de contato limpas e desinfetadas;
  • Deixar os ambientes bem ventilados;
  • Evitar o contato com indivíduos infectados;
  • Utilizar óculos de proteção em locais com alta exposição a alérgenos ou irritantes.
Boa Forma
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade