0

Animais de estimação podem ajudar a saúde mental dos tutores na quarentena

Vínculo e afeto auxiliam a manutenção do equilíbrio emocional durante a pandemia do novo coronavírus

12 mai 2020
14h31
atualizado às 14h34
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Os animais de estimação oferecem afeto aos seus tutores, independentemente da situação. E, em tempos de pandemia do novo coronavírus, esse carinho se faz cada vez mais necessário.

Segundo relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2019, o Brasil tinha o maior número de pessoas ansiosas do mundo, contabilizando 18,6 milhões de pessoa.

O isolamento social causado pela covid-19 pode agravar esse quadro e gerar ainda mais transtornos mentais, como a depressão. Além de chamadas de vídeo com amigos e familiares, as pessoas em quarentena podem buscar, nos animais de estimação, um pilar emocional.

De acordo com a veterinária Thais Matos, da DogHero, o convívio com animais de estimação estimula a produção e a liberação de endorfina e serotonina, o que proporciona sensação de bem-estar e relaxamento.

Os animais também são seres sencientes, ou seja, têm capacidade emocional para sentir alegria, medo, dor e até mesmo saudade. É por isso que o vínculo entre pets e humanos é tão forte, como se fossem integrantes da mesma família. "Esse elo ocorre por meio da relação de confiança que se cria entre tutor e pet. Além da companhia, a convivência com animais pode funcionar como uma terapia ao ser humano, pois as brincadeiras, conversas e o carinho que eles retribuem e até a aceitação ao tutor sem julgamentos, são capazes de diminuir o estresse, trazer conforto e fortalecendo os laços entre eles", comenta a especialista.

Para o psicólogo Abel Antonio Pinto, que atende pelo GetNinjas, aplicativo de contratação de serviços, é fato que o isolamento social pode desencadear transtornos mentais como crises de pânico, ansiedade, elevação da pressão arterial, sentimento de solidão, pensamentos obsessivos e compulsão alimentar. "Os cães são os animais que mais sentem empatia com o ser humano e, consequentemente, promovem uma troca verdadeira na relação afetiva, ajudando a diminuir distúrbios de ansiedade e solidão. O animal dependerá exclusivamente do cuidado do tutor e isso faz com que a pessoa se sinta mais útil, aumentando sua autoconfiança", conclui.

Veja também:

Beirute: A mãe em trabalho de parto durante a explosão
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade