PUBLICIDADE

Berberina é o ativo natural da vez

A berberina não é uma planta, ela é um alcaloide natural geralmente encontrado em plantas e utilizado na Medicina Tradicional Chinesa e ayurvédica; conheça mais

29 mai 2024 - 12h36
Compartilhar
Exibir comentários

A berberina é mais um ativo encontrado em alguns fitoterápicos que virou modismo entre os "naturebas" de plantão. Como farmacêutico, lhes digo que quando falamos em um fitoterápico ficar "famoso", tenha certeza de que tem a ver com efeito emagrecedor, afinal quem não quer perder alguns quilinhos de forma natural?

Conheça mais sobre as funções da berberina
Conheça mais sobre as funções da berberina
Foto: Getty Images/jirkaejc / Bons Fluidos

Os compostos presentes em plantas podem ter muitos nutrientes e efeitos terapêuticos para tratar e prevenir doenças, aliviar sintomas e promover o bom funcionamento do organismo. A berberina é um desses compostos, utilizada na medicina oriental há milênios e, atualmente, foco de diversos estudos que buscam entender suas propriedades terapêuticas.

Mas, o que é a berberina? É uma planta?

A berberina não é uma planta, ela é um alcaloide natural, isso é, um composto orgânico geralmente encontrado em plantas como Rhizoma coptidis, Coptis chinensis, Berberis vulgaris, Berberis aquifolium, Berberis aristata, Hydrastis canadensis e Phellodendron amurense.

Há mais de 2 mil anos ela vem sendo utilizada na Medicina Tradicional Chinesa e ayurvédica. No sistema ayurvédico indiano, ela era tradicionalmente usada para tratar várias infecções de ouvidos, olhos, boca, curar feridas, problemas de indigestão e disenteria, além de tratar distúrbios uterinos e vaginais. Já na Medicina Tradicional Chinesa, era usada para tratar diarreia e parasitas intestinais.

Para que serve a berberina?

A berberina possui propriedades que ajudam a diminuir o açúcar no sangue, a controlar os níveis de colesterol e de triglicerídeos e a modular a microbiota intestinal. Ela pode ser utilizada como adjuvante no tratamento de diversas doenças metabólicas, cardiovasculares, neurológicas, digestivas e até mesmo de alguns tipos de câncer. Por ajudar em todas essas condições, é um ativo que pode ser recomendado para apoiar uma melhor qualidade de vida e, consequentemente, favorecer a longevidade.

Berberina e saúde cardiovascular

As doenças cardiovasculares, que afetam o coração e os vasos sanguíneos, estão entre as maiores causas de morte em todo o mundo. Estudos destacam que a berberina apresenta diversos efeitos terapêuticos em algumas doenças cardiometabólicas, incluindo hipertrofia cardíaca, insuficiência cardíaca, aterosclerose, Acidente Vascular Cerebral e condições que podem afetar o sistema cardiovascular, como diabetes mellitus e esteatose hepática associada à disfunção metabólica (MASLD).

Um estudo feito com roedores que receberam — ou não — suplementação de berberina por quatro semanas e foram posteriormente submetidos à isquemia/reperfusão mostrou que, no grupo suplementado, a área de infarto agudo do miocárdio foi menor, bem como os níveis de indicadores de lesão cardíaca.

Ela já é amplamente utilizada em países asiáticos (principalmente na China) devido ao seu bom perfil clínico e de segurança. Com os avanços da pesquisa farmacológica, a berberina é considerada um dos medicamentos derivados de produtos naturais mais promissores para o tratamento das doenças cardiovasculares.

Redução do colesterol e os triglicerídeos

A berberina também tem mostrado bons resultados na tentativa de reduzir o colesterol total, o LDL, conhecido como "colesterol ruim", e os triglicerídeos, sem afetar os níveis de HDL, o "colesterol bom".

Em um estudo realizado com 91 indivíduos, dos quais 63 apresentavam hipercolesterolemia - quantidades elevadas de colesterol no sangue - foi verificado que o consumo de 500mg de berberina, administrada duas vezes ao dia por três meses, levou à redução dos níveis séricos de colesterol em 18%, triglicerídeos em 28% e LDL em 20% naqueles que apresentavam a condição em questão, sem alterar os níveis de HDL.

Auxilia no controle das doenças metabólicas

Quando falamos sobre uma doença metabólica, estamos falando sobre alguma mudança nas reações químicas do nosso organismo, como o excesso ou insuficiência de alguma substância, uma alteração no funcionamento de alguns órgãos. A síndrome metabólica pode ser definida como uma série de condições clínicas que, juntas, podem aumentar o risco de doenças metabólicas e estão relacionadas à obesidade, ao sedentarismo e à alimentação inadequada, podendo desencadear quadros como diabetes, hipertensão e dislipidemia (colesterol e/ou triglicerídeos altos).

A berberina tem recebido ampla atenção devido ao seu potencial no tratamento de doenças metabólicas e, consequentemente, na síndrome metabólica.

Uma revisão forneceu um resumo abrangente dos avanços farmacológicos e clínicos da berberina no tratamento de cinco doenças: Diabetes mellitus tipo 2, obesidade, doença hepática esteatótica associada à disfunção metabólica (MASLD), hiperlipidemia e gota. Estudos clínicos in vitro e in vivo concluíram que a berberina tem efeitos positivos em todas elas.

Principais efeitos

Esses efeitos baseiam-se na regulação de diversos aspectos metabólicos e em processos fisiopatológicos como:

- Melhorar a secreção de insulina;

- Aumentar a sensibilidade à insulina;

-Inibir a lipogênese (a síntese de ácidos graxos e triglicérides, que serão armazenados subsequentemente no fígado e no tecido adiposo)

- Aliviar a inflamação;

- Reduzir a esteatose hepática;

- Melhorar os distúrbios da microbiota intestinal.

Controle da diabetes

Além dos tratamentos convencionais para a diabetes meliitus, caracterizada pelas altas taxas de açúcar no sangue, a berberina também pode ser uma aliada.

Estudos de análise comprovaram que a berberina aplicada isoladamente ou com terapias diabéticas leva à reduções significativas na hemoglobina glicada, glicemia plasmática em jejum e glicemia pós-prandial de duas horas. Além disso, verificou-se melhora da resistência à insulina e do metabolismo lipídico, regulação positiva de HDL e melhora de fatores indicadores de inflamação.

Berberina e microbiota intestinal

Estudos com animais sugerem que a berberina atua na modulação do intestino e na composição da microbiota, que é o conjunto de microrganismos unicelulares que habitam nosso organismo. A berberina inibe a proliferação de bactérias que prejudicam o organismo, enquanto favorece o crescimento de bactérias "do bem", incluindo Akkermansia, Bifidobacterium e Lactobacillus e ainda reduz os níveis de bactérias patogênicas, como Escherichia e Enterococcus e assim, melhora a saúde intestinal.

Evidências mostram que uma microbiota intestinal não saudável pode estar associada à obesidade e suas possíveis complicações, como diabetes e doença hepática esteatótica associada à disfunção metabólica, já que uma microbiota intestinal não saudável pode afetar a saúde interferindo na regulação de glicose e lipídios no sangue, na resistência à insulina, causando inflamação.

Berberina e gordura no fígado

A incidência de doença hepática esteatótica associada à disfunção metabólica (MASLD) tem aumentado durante a última década. Anteriormente conhecida como doença hepática gordurosa não alcoólica (DHGNA) esse é um problema de saúde que afeta cerca de 25% da população e é caracterizada pelo acúmulo de gordura no fígado.

Para avaliar as vantagens da berberina para o fígado, os estudos foram feitos com foco nos efeitos desta planta nos níveis de enzimas hepáticas. Em um dos estudos realizado com 80 pacientes - 32 homens e 48 mulheres - todos uma acumulação de lipídos (gordura) no fígado, bem como um aumento de enzimas hepáticas. Dividiram os pacientes em dois grupos: Um grupo de controle e um grupo suplementado com berberina. Durante três meses, os investigadores monitorizaram os efeitos da toma do suplemento, medindo diferentes parâmetros: O peso, os níveis de determinadas enzimas hepáticas e o perfil lipídico. No final dos três meses de uso do suplemento berberina a análise dos investigadores relevou resultados promissores. Comparativamente ao grupo de controle, os pacientes que tomaram o suplemento de berberina apresentavam um nível mais baixo de determinadas enzimas hepáticas: Alanina transaminase e aspartato transaminase. Os investigadores constataram igualmente uma redução significativa do peso, dos triglicerídeos e do colesterol nos pacientes que tomaram o suplemento de berberina. A berberina também atua protegendo também o fígado contra compostos tóxicos.

A berberina ajuda a emagrecer?

Até o momento as evidências científicas sobre a perda de peso com berberina ainda são preliminares e inconclusivas. Uma revisão sistemática com meta-análise, que avaliou estudos clínicos, mostrou que tomar berberina diariamente por via oral está associado a discretas reduções no índice de massa corporal (IMC), da circunferência da cintura e no peso corporal. Porém, a maioria dos estudos clínicos analisados são pequenos e de qualidade variável. Além disso, faltam estudos de melhor qualidade para determinar a segurança da ingestão de berberina por longos períodos de tempo. Mas, o fato dela ser positiva sobre a glicose, triglicerídeos, colesterol "ruim", digamos sobre ter efeito positivo sobre fígado e intestino obviamente faz dela um fitoterápico de escolha quando o assunto é emagrecimento.

Berberina e doenças neurológicas

Evidências mostram que a berberina parece ter papel protetor no desenvolvimento de doenças como Alzheimer, Parkinson, Doença de Huntington, demência, esquizofrenia, ansiedade, depressão, epilepsia e traumatismo craniano.

Quais são os efeitos adversos associados ao uso da berberina?

A berberina, utilizada por via oral, pode causar efeitos adversos como: Dor abdominal e distensão, constipação, diarreia, flatulência, náuseas, vômitos e dor de cabeça.

Existe alguma restrição quanto ao uso da berberina?

A berberina não deve ser utilizada por crianças, gestantes e lactantes.

Onde encontrar a berberina?

Por ser um alcaloide, a berberina está presente apenas em algumas plantas medicinais. Esta substância não é comumente encontrada em alimentos, portanto seu consumo pode ser feito na forma de suplementação.

É importante lembrar que a berberina não deve substituir o tratamento convencional e seu uso, bem como o de outros compostos fitoterápicos, deve ter orientação do médico ou nutricionista.

Precauções

O consumo de compostos pouco conhecidos, mesmo os extraídos de plantas, não deve ocorrer sem a orientação de um profissional de saúde. A berberina pode interagir com determinados medicamentos, como aqueles tomados para diabetes e hipertensão, podendo prejudicar o controle dessas doenças.

Manipulados com berberina

Quando recomendado pelo profissional de saúde, a suplementação de berberina pode ser feita por meio de uma fórmula manipulada especificamente para você, visando a um tratamento mais eficaz de acordo com as suas necessidades.

É sabido que alguns hábitos são muito importantes para o bom funcionamento do organismo, como a alimentação balanceada, a hidratação, os exercícios físicos e o controle do estresse. A berberina associada a esses fatores tem como efeito uma longevidade saudável, obviamente se usada de forma estratégica por médicos, nutricionistas e farmacêuticos.

Converse com o seu profissional de saúde! Boa saúde!

Bons Fluidos
Compartilhar
Publicidade
Publicidade