PUBLICIDADE

O que são os 'círculos de fadas', formações em zonas áridas que ainda intrigam cientistas

Entenda o que se sabe sobre marcas semicirculares no terreno, onde a vegetação nunca mais cresceu.

5 nov 2023 - 11h54
(atualizado às 15h08)
Compartilhar
Exibir comentários
Os cientistas ainda não chegaram a um consenso sobre a origem das curiosas formações
Os cientistas ainda não chegaram a um consenso sobre a origem das curiosas formações
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Os membros da tribo himba, da Namíbia, contam há várias gerações que a forte respiração de um dragão deixou marcas sobre a terra.

São marcas semicirculares, onde a vegetação nunca mais cresceu. Ficou apenas a terra nua, cercada pelas ervas comuns dos áridos terrenos do sudoeste africano.

Na década de 1970, o ecologista sul-africano Ken Tinley percebeu que aqueles pedaços de terra eram parecidos com os famosos anéis formados por cogumelos na Europa. Ele deu às formações o nome de "círculos de fadas".

Tinley acreditava que eles pudessem ter sido criados por cupins. Mas, até hoje, essas formações terrestres continuam sendo um mistério. Os cientistas vêm debatendo há muitos anos e ainda não chegaram a um acordo sobre a sua origem.

Mas uma nova pesquisa acrescentou um novo componente à discussão. Os círculos de fadas não existem apenas no sudoeste africano e no noroeste da Austrália, como se acreditava até agora.

"Do espaço, com a ajuda de um modelo baseado em inteligência artificial, encontramos nas regiões áridas do mundo centenas de lugares que nunca haviam sido descritos antes, com padrões de vegetação idênticos aos círculos de fadas", explica à BBC News Mundo (o serviço em espanhol da BBC) o cientista Emilio Guirado, da Universidade de Alicante, na Espanha.

A nova pesquisa encontrou círculos de fadas em vários pontos do continente africano, como o Sahel, o Saara Ocidental e o Chifre da África, além da Namíbia
A nova pesquisa encontrou círculos de fadas em vários pontos do continente africano, como o Sahel, o Saara Ocidental e o Chifre da África, além da Namíbia
Foto: E. GUIRADO E OUTROS / BBC News Brasil

O estudo revelou que existem círculos de fadas em pelo menos 15 países de três continentes.

Sua pesquisa não procurou desvendar a origem dessas formações. Mas os dados apresentados podem ajudar a encontrar a resposta.

Debate de anos

Cientistas estudaram os círculos de fadas em duas regiões do planeta: o sudoeste africano e o noroeste da Austrália
Cientistas estudaram os círculos de fadas em duas regiões do planeta: o sudoeste africano e o noroeste da Austrália
Foto: E. GUIRADO E OUTROS / BBC News Brasil

Apesar do nome, os círculos de fadas costumam ser formações hexagonais no solo. A vegetação não cresce no seu interior, mas no seu entorno - pelo menos, na sua maior parte.

Depois das pesquisas de Tinley nos anos 1970, as discussões científicas sobre as origens dos círculos de fadas avançaram em direção a duas teorias principais.

Uma delas foi apresentada em 2013, pelo biólogo alemão Norbert Jürgens. Depois de uma década de pesquisas, ele concluiu que os círculos de fadas são formados pelos cupins subterrâneos.

Segundo Jürgens, esses insetos se alimentam das raízes da vegetação que começa a crescer depois da chuva, gerando acúmulos de água no subsolo e permitindo a sobrevivência dos cupins.

"Os cupins são insetos sociais que controlam seu território, onde dispõem de água e comida, e as colônias defendem sua área dos vizinhos, às vezes de forma muito agressiva", explicou Jürgens à BBC News Mundo em 2016.

O biólogo alemão afirmou que os círculos de fadas formam um "sistema de competição entre as colônias". Ele está "totalmente seguro" sobre sua teoria, que, segundo ele, foi confirmada por muitos dos seus colegas.

Quase paralelamente, o ecologista alemão Stephan Getzin e o físico israelense Ehud Meron se uniram para pesquisar os círculos de fadas na Austrália. Eles defenderam que sua formação é explicada pela teoria da auto-organização.

Os círculos de fadas foram observados pela tribo himba, na Namíbia, muito antes da documentação científica
Os círculos de fadas foram observados pela tribo himba, na Namíbia, muito antes da documentação científica
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Meron explicou à BBC News Mundo, após a publicação do seu estudo em 2016, que a natureza enfrenta a escassez de água com este fenômeno.

Para o pesquisador, "organizando-se em círculos, a vegetação dos arredores é beneficiada por uma fonte adicional de água, já que a chuva nas clareiras do terreno encontra seu caminho através de diversos mecanismos de transporte de água".

"Na Austrália, este mecanismo inclui o fluxo de água por via terrestre, enquanto, na Namíbia, está relacionado com a difusão da água armazenada", afirmou Meron.

Com isso, Meron e Getzin descartaram a teoria de Jürgens, já que, segundo eles, não havia cupins nos círculos de fadas estudados no noroeste da Austrália. Jürgens contestou a conclusão, afirmando que seus colegas não teriam escavado o suficiente para encontrar os insetos.

O que diz a nova pesquisa?

A pesquisa da equipe de Emilio Guirado não procurou encontrar as causas da formação dos círculos de fadas. Eles elaboraram um mapa dos locais onde se encontram essas formações.

O cientista explicou que eles usaram dois modelos de inteligência artificial e encontraram centenas de lugares com círculos de fadas nas regiões áridas do mundo (que correspondem a 41% da superfície da Terra).

Eles analisaram diversos fatores, como o clima, o solo e fatores ambientais. E concluíram que, nos locais onde essas variáveis são estáveis, existem círculos de fadas - particularmente, onde o solo é arenoso.

"Analisamos centenas de milhares de imagens e descobrimos centenas de padrões de vegetação idênticos aos círculos de fadas nas zonas áridas do mundo", explica Guirado. "Este processo levou pouco mais de um mês em um supercomputador com quatro unidades de processamento gráfico [GPUs, na sigla em inglês]."

Com a ajuda de dois modelos de inteligência artificial, eles pesquisaram 600 mil imagens de satélite dos serviços de mapeamento do planeta, como o Google Earth, Bing Maps e Mapbox, em busca de fotografias dos terrenos com maior resolução.

Uma das maiores concentrações de círculos de fadas foi encontrada na Austrália
Uma das maiores concentrações de círculos de fadas foi encontrada na Austrália
Foto: E. GUIRADO E OUTROS / BBC News Brasil

Com isso, eles conseguiram obter imagens mais claras dos pontos áridos da Terra onde existe a presença dos círculos de fadas.

Como resultado, os pesquisadores encontraram círculos de fadas em 263 pontos do planeta, localizados em 15 países da África, Ásia e Oceania.

Entre essas regiões, estão o Sahel, na África, o Saara Ocidental, o Chifre da África, Madagascar, o sudoeste asiático e a região central da Austrália.

Questionado se suas pesquisas trazem alguma explicação sobre a origem desses padrões, o cientista espanhol responde que a incógnita permanece. Ele não descarta nem defende as hipóteses que já foram apresentadas.

O certo é que se trata de um fenômeno das terras áridas, já que seria quase impossível observá-las em outras regiões.

"Teoricamente, nos locais onde a precipitação é maior, os círculos se fechariam", explica Guirado.

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade