Moraes: Pedido do PL para anular votos é ilícito e dá munição para atos antidemocráticos

24 nov 2022 - 15h42
Compartilhar

"Inconsequente", "esdrúxulo", "ilícito" e "ostensivamente atentatório ao Estado Democrático de Direito". Foi assim que o presidente do TSE, o ministro Alexandre de Moraes, classificou o pedido do PL, partido de Jair Bolsonaro, para anular cerca de 51% dos votos do segundo turno das eleições. O ministro ainda determinou que a coligação de Bolsonaro, composta por PP e o Republicanos, pague uma multa de quase R$ 23 milhões por "má-fé".

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Seu Terra












Publicidade