7 eventos ao vivo

Uber confirma IPO e alerta sobre chance de nunca dar lucrar

Aplicativo de transportes oficializou a entrada na Bolsa, prevista para acontecer em maio; IPO pode ser o maior da história dos EUA

12 abr 2019
11h14
atualizado às 15h13
  • separator
  • 0
  • comentários

O Uber confirmou na última quinta-feira, 11, que fará a sua oferta pública de ações (IPO, na sigla em inglês) na Bolsa de Nova York. A empresa deve divulgar até o fim do mês a faixa de preço estimada para suas ações e, então, abrir capital no início de maio. A estimativa é que o Uber seja o maior IPO da história dos Estados Unidos, superando a chinesa Alibaba, que em 2014 faturou US$ 25 bilhões.

Junto com a confirmação, a empresa de transporte divulgou dados da companhia. Segundo o Uber, hoje o aplicativo conta com 91 milhões de usuários, incluindo os que usam o app de delivery de refeições Uber Eats. A empresa disse ainda que perdeu US$ 3 bilhões apenas em 2018.

A estimativa é que o Uber seja o maior IPO da história dos Estados Unidos, superando a chinesa Alibaba, que em 2014 faturou US$ 25 bilhões
A estimativa é que o Uber seja o maior IPO da história dos Estados Unidos, superando a chinesa Alibaba, que em 2014 faturou US$ 25 bilhões
Foto: Reuters

O Uber também ressaltou aos futuros investidores que talvez nunca dê lucros. Isso aconteceria devido a uma característica do mercado em que a empresa atua ­- que conta com forte incentivo financeiro para motoristas e descontos em viagens para passageiros.

Em documento entregue a Comissão de Valores Imobiliários dos EUA (SEC, na sigla em inglês), o Uber disse que fechou 2018 com receita de US$ 11,3 bilhões, um aumento de 42% em comparação com ano anterior, mas abaixo do crescimento de 106% que ocorreu entre 2016 e 2017.

A empresa também definiu um valor de US$ 1 bilhão para o espaço reservado, mas não especificou qual será o tamanho do IPO. A agência de notícias Reuters informou nesta semana que o Uber planeja vender cerca de US$ 10 bilhões em ações, o que garantiria à companhia um valor de mercado estimado entre US$ 90 bilhões e US$ 100 bilhões.

Bancos de investimento já haviam dito à Uber que ela poderia valer até US $ 120 bilhões. Fontes próximas à empresa informaram, no entanto, que o Uber não está mais cogitando que terá esta avaliação pós-IPO.

Agora, o Uber está liberada para fazer uma série de apresentações para investidores, chamada de roadshow. De acordo com a Reuters, esses encontros estão previstos para iniciar na semana de 29 de abril.

Wall Street

A confirmação do Uber acontece duas semanas depois que a Lyft, sua principal rival dos EUA, abriu capital na Bolsa. Apesar de bater as expectativas dos investidores no primeiro dia de pregão, as ações companhia não tem tido bom desempenho nos últimos dias.

Na última quinta-feira, as ações da Lyft fecharam o dia valendo US$ 61,01, um preço 15% menor que o registrado no IPO. As quedas são vistas como um sinal de esfriamento para outras companhias de tecnologia que devem abrir capital nos próximos meses: além do Uber, o Airbnb e o Pinterest estão na lista.

Desafios e benefícios

Atualmente o Uber enfrenta questões sobre como vai adotar uma frota de veículos autônomos, tecnologia vista como potencial redutor de custos, mas que também poderia atrapalhar seu modelo de negócio.

No ano passado, o aplicativo foi protagonista de uma disputa legal sobre segredos comerciais envolvendo a unidade de veículos autônomos Waymo da Alphabet Inc, dona do Google. No processo, a Waymo alegava que um de seus ex-engenheiros, que se tornou chefe do projeto de carro autônomo do Uber, levou consigo milhares de documentos confidenciais.

O Uber revelou no processo que poderia ter que pagar uma taxa de licença para a Waymo ou enfrentar um atraso substancial no desenvolvimento de sua tecnologia de carros autônomos se a avaliação inicial de sua tecnologia por um especialista independente for confirmada.

Uma vantagem que o Uber provavelmente mostrará para os investidores é que ele é o maior competidor na maioria dos países em que opera. Esta vantagem é vista pelos analistas como crucial para que o modelo de negócios do Uber seja lucrativo em médio e longo prazo.

Apesar disso, o Uber afirmou em seu comunicado que sua posição de liderança nos Estados Unidos e no Canadá foi "significativamente afetada por eventos adversos de publicidade" e que sua posição em muitos mercados tem sido ameaçada por descontos de outras empresas.

O Uber disse que sua participação de mercado caiu na maioria das regiões no ano passado, embora a taxa de declínio tenha diminuído. A empresa reivindica mais de 65% de participação de mercado nos Estados Unidos e no Canadá, contra os 39% da Lyft no mercado americano.

Fontes alegam, todavia, que a empresa está estudando forma de dar algumas ações para motoristas que, entre outros critérios, completaram mais de 2.500 viagens.

Papel

Agora, além de responder a perguntas sobre as finanças do Uber, o presidente da empresa Dara Khosrowshahi será encarregado de convencer os investidores de que ele mudou com sucesso a cultura e as práticas de negócios após uma série de escândalos constrangedores nos últimos dois anos.

A empresa foi alvo de uma série de acusações de assédio sexual, violação de dados ocultada de reguladores, uso de software ilícito para fugir das autoridades e suborno no exterior. Khosrowshahi ingressou no Uber em 2017 para substituir o co-fundador da empresa, Travis Kalanick, que foi demitido do cargo de presidente.

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade