PUBLICIDADE

TikTok decide sair de Hong Kong diante de regras impostas por Pequim

7 jul 2020 - 11h44
Compartilhar
Exibir comentários

O TikTok anunciou nesta terça-feira que sairá de Hong Kong dentro de alguns dias, conforme gigantes globais da tecnologia tentam descobrir como operar na cidade sob as nova regras de segurança impostas por Pequim.

REUTERS/Dado Ruvic
REUTERS/Dado Ruvic
Foto: Reuters

As principais empresas de internet dos Estados Unidos, como Facebook, Microsoft, Google e Twitter, anunciaram que suspenderam o processamento de solicitações de dados de usuários feitos pelas autoridades de Hong Kong enquanto estudam a nova legislação.

As plataformas de mídia social das empresas norte-americanas geralmente são proibidas na China, onde o acesso é bloqueado por um firewall. A maioria operava livremente em Hong Kong, mas agora terá que determinar como cumprir as novas regras da cidade, que, segundo grupos de direitos humanos, ameaçam liberdades que existiam há décadas.

O anúncio desta terça-feira do TikTok sobre seu plano de sair de Hong Kong é notório porque o aplicativo pertence a uma empresa chinesa, mas opera apenas fora da China continental. A controladora do TikTok, a ByteDance, administra um serviço semelhante e separado na China, enquanto afirma que o TikTok se destina a atrair usuários de todo o mundo. A saída da empresa de Hong Kong significa que os usuários da cidade, como os da China continental, serão agora excluídos da versão global.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse na segunda-feira que Washington está considerando proibir o TikTok nos Estados Unidos. Questionado sobre se os norte-americanos deveriam fazer o download do aplicativo, ele disse à Fox News: "Somente se você quiser suas informações privadas nas mãos do Partido Comunista Chinês."

((Tradução Redação São Paulo; 55 11 56447727))

REUTERS PS AAJ

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade