PUBLICIDADE

Mundo

Secretário-geral da ONU para Israel: 196 trabalhadores humanitários foram mortos, por quê?

5 abr 2024 - 13h57
(atualizado em 10/4/2024 às 16h38)
Compartilhar
Exibir comentários

O secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu na sexta-feira investigações independentes sobre as mortes de todos os 196 trabalhadores humanitários na Faixa de Gaza durante a guerra entre Israel e Hamas e disse que espera que Israel aumente rápida e efetivamente o acesso à ajuda.

A indignação global com a crise humanitária no território palestino ocupado de 2,3 milhões de pessoas aumentou depois que três ataques aéreos israelenses na segunda-feira mataram sete pessoas que trabalhavam para a instituição de caridade alimentar World Central Kitchen, com sede nos Estados Unidos.

Israel está retaliando o Hamas em Gaza por causa de um ataque mortal a Israel em 7 de outubro pelo grupo militante palestino, dizendo que eles mataram cerca de 1.200 pessoas e fizeram mais de 250 reféns. As autoridades de saúde de Gaza afirmam que Israel já matou mais de 33.000 pessoas desde então.

As Forças Armadas israelenses disseram nesta sexta-feira que seu inquérito sobre os ataques ao comboio de ajuda constatou erros graves e violações de procedimentos.

"O governo israelense reconheceu os erros", disse Guterres. "Mas o problema essencial não é quem cometeu os erros, é a estratégia militar e os procedimentos em vigor que permitem que esses erros se multipliquem repetidamente."

"A correção dessas falhas requer investigações independentes e mudanças significativas e mensuráveis no terreno", afirmou ele, sem especificar quem deveria conduzir as investigações. "196 trabalhadores humanitários foram mortos e queremos saber por que cada um deles foi morto."

O Conselho de Segurança da ONU, composto por 15 membros, se reuniu na sexta-feira para discutir a fome iminente em Gaza e os ataques aos trabalhadores humanitários.

"Se estivéssemos reunidos no norte de Gaza, todos os 15 estaríamos pulando refeições", disse o embaixador da Eslovênia na ONU, Samuel Zbogar. "Dez de nós passaríamos dias e noites inteiros sem comer. Metade de nós estaria precisando desesperadamente de ajuda humanitária."

Dirigindo-se ao conselho, a autoridade sênior de ajuda da ONU Ramesh Rajasingham pediu a todos os países que ajudem a impedir as violações do direito humanitário - "por meio de pressão diplomática e econômica, condicionando as exportações de armas ao cumprimento das regras de guerra e à cooperação no combate à impunidade".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade