PUBLICIDADE

Mundo

Primeiro-ministro da Jordânia diz que escalada na região levaria a "caminhos perigosos"

14 abr 2024 - 15h54
Compartilhar
Exibir comentários

O primeiro-ministro da Jordânia, Bisher Khasawneh, disse neste domingo que qualquer escalada na região levaria a "caminhos perigosos" e que era necessário reduzir a escalada por todas as partes.

Em declarações ao gabinete, Khasawneh disse que as forças armadas do país enfrentariam qualquer tentativa de qualquer parte que procurasse pôr em perigo a segurança do reino.

"É necessário que todas as partes atuem com responsabilidade e exerçam o máximo grau de autocontenção... e não sejam arrastadas para qualquer escalada que sem dúvida terá consequências perigosas", disse Khasawneh.

Duas fontes de inteligência regional disseram que as defesas aéreas dos EUA, juntamente com o apoio do Reino Unido e da França, juntaram-se à Jordânia no sábado para derrubar dezenas de drones e mísseis iranianos que sobrevoavam o país em direção a Jerusalém e contra uma ampla gama de alvos em Israel.

Drones iranianos que vieram da direção do Iraque e sobrevoaram o sul da Jordânia e a cidade de Aqaba que se dirigiam ao porto de Eilat, em Israel, também foram interceptados, acrescentaram.

"O exército responderá a qualquer coisa que possa pôr em risco a segurança do reino e a santidade do seu espaço aéreo e território face a qualquer perigo de qualquer parte com todos os meios disponíveis", disse Khasawneh.

O rei Abdullah da Jordânia também disse ao presidente dos EUA, Joe Biden, num telefonema neste domingo, que a Jordânia "não será uma arena para uma guerra regional", acrescentando que qualquer "escalada por parte de Israel apenas alargaria o círculo de conflito", disse a emissora estatal Al Mamlaka.

A Jordânia é vizinha da Síria e do Iraque e também é vizinha de Israel e da Cisjordânia ocupada por Israel.

Tem assistido à guerra de Israel contra o grupo palestino Hamas, aliado iraniano, com crescente alarme por medo de ser apanhado num fogo cruzado.

No final do ano passado, Amã pediu a Washington que implantasse sistemas de defesa aérea Patriot na Jordânia para reforçar as suas defesas fronteiriças.

Autoridades dizem que o Pentágono aumentou desde então a sua ajuda militar ao reino, um importante aliado regional, onde centenas de tropas dos EUA estão baseadas e realizam extensos exercícios com o exército jordaniano ao longo do ano.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade