PUBLICIDADE

Mundo

Potências do G7 vão reforçar defesas aéreas da Ucrânia diante de ataques russos

19 abr 2024 - 10h01
Compartilhar
Exibir comentários

As potências do G7 estão determinadas a reforçar as defesas aéreas da Ucrânia, disseram seus ministros das Relações Exteriores nesta sexta-feira, após repetidos ataques aéreos russos que destruíram a infraestrutura de energia e mataram centenas de pessoas.

O Grupo das Sete maiores potências - Itália, Canadá, França, Alemanha, Japão, Reino Unido, Estados Unidos e representantes da União Europeia - tem criticado ferozmente a invasão da Ucrânia pela Rússia, que já dura dois anos.

Entretanto, Kiev advertiu que eles precisam mudar a estratégia se quiserem que a Ucrânia resista aos ataques aéreos russos cada vez mais destrutivos. A Rússia nega ter como alvo civis durante seus ataques aéreos e diz que o sistema de energia é um alvo legítimo, mas centenas de civis foram mortos durante os ataques aéreos.

O G7 "reforçará a capacidade de defesa aérea da Ucrânia para salvar vidas e proteger a infraestrutura essencial", disseram os ministros das Relações Exteriores, acrescentando que aumentarão a assistência de defesa e segurança para Kiev.

"Estamos determinados a continuar a fornecer apoio militar, financeiro, político, humanitário, econômico e de desenvolvimento para a Ucrânia e seu povo", acrescentaram.

A declaração do G7 chega ao final de uma reunião de três dias dos ministros na ilha de Capri, no sul da Itália, que teve a Ucrânia e os confrontos militares entre Israel e o Irã entre seus principais tópicos.

Mais cedo, o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba - que estava em Capri para a reunião - disse a repórteres que o G7 havia identificado medidas específicas para ajudar a impulsionar a defesa aérea da Ucrânia. Ele não forneceu mais detalhes.

A Alemanha já disse que entregará uma bateria de mísseis Patriot.

Após a cúpula, o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, disse que a Ucrânia precisa de mais recursos imediatamente e alertou Pequim que as relações da China com a Europa serão prejudicadas se ela der apoio à indústria de defesa da Rússia.

"Quando se trata da base industrial de defesa da Rússia, o principal contribuinte neste momento (...) é a China", disse Blinken.

"Se, por um lado, a China pretende manter boas relações com a Europa e outros países, não pode, por outro lado, estar alimentando o que é a maior ameaça à segurança europeia desde o fim da Guerra Fria."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade