PUBLICIDADE

Mundo

Palestinos desesperados em Rafah, Gaza, temem um ataque israelense iminente

11 fev 2024 - 14h55
Compartilhar
Exibir comentários

A barraca da família Abu Mustafa está encostada na alta cerca de concreto e metal que separa Gaza do Egito em Rafah, o último lugar relativamente seguro em um enclave devastado pela ofensiva militar de Israel, mas que agora também pode ser atacado.

A família está entre os mais de um milhão de palestinos que agora estão amontoados na área ao redor de Rafah e que temem não ter mais para onde fugir dentro de uma pequena faixa em grande parte reduzida a escombros e onde os combates ainda ocorrem.

"Todos os dias estamos fugindo. Ser deslocado é difícil porque tenho duas filhas com deficiência. Não posso carregá-las por aí. Não tenho carro nem carroça", disse Laila Abu Mustafa.

"Se houver mais deslocamentos, não vou me mudar", disse ela.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, ordenou um plano de evacuação para os civis que lotam Rafah, acampando em ruas e terrenos baldios, na praia e, como a família Abu Mustafa, na faixa de areia ao longo da fronteira egípcia.

Antes de ataques anteriores às cidades de Gaza, os militares de Israel ordenaram que os civis saíssem sem preparar nenhum plano de evacuação específico. As agências de ajuda humanitária dizem que um ataque a Rafah seria catastrófico em uma guerra que já causou uma miséria incalculável.

O presidente dos EUA, Joe Biden, deve falar com Netanyahu no domingo, segundo autoridades da Casa Branca, a primeira conversa entre eles desde que Biden descreveu a resposta militar de Israel em Gaza como "exagerada" na semana passada.

A guerra começou em 7 de outubro, quando o grupo militante Hamas, que controla Gaza, invadiu a cerca da fronteira com Israel, enviando combatentes que mataram 1.200 pessoas, em sua maioria civis, e fizeram cerca de 250 reféns, de acordo com os registros israelenses.

Quatro meses depois, Gaza está em ruínas. Sob um bombardeio diário maciço, as forças terrestres israelenses invadiram a maior parte do enclave, destruindo casas, prédios públicos e infraestrutura com ataques aéreos, fogo de artilharia e detonações controladas.

As autoridades de saúde palestinas afirmam que mais de 28.000 pessoas foram mortas na guerra. Mais de 85% dos habitantes de Gaza estão desabrigados. Uma pesquisa da ONU constatou que quase uma em cada 10 crianças com menos de cinco anos está gravemente desnutrida.

Até o momento, as negociações para um acordo sobre um cessar-fogo e a libertação de reféns não conseguiram chegar a um acordo. Na semana passada, Israel rejeitou uma proposta do Hamas, dizendo que não pararia de lutar enquanto o grupo mantivesse brigadas que, segundo Israel, estão escondidas em Rafah.

Fontes de segurança egípcias disseram que mais conversações de alto nível foram planejadas para terça-feira, com a presença de altos funcionários do Qatar e dos Estados Unidos, bem como de delegações israelenses e palestinas.

Os ataques aéreos israelenses começaram a atacar Rafah nos últimos dias.

No domingo, o Hamas disse que os ataques aéreos israelenses na Faixa de Gaza nos últimos quatro dias mataram dois reféns e feriram outros oito.

O grupo disse que qualquer ataque israelense a Rafah "explodiria" as discussões sobre um acordo para libertar os reféns restantes.

PLANO DE EVACUAÇÃO PARA CIVIS

Em uma entrevista que foi ao ar na rede americana ABC no domingo, Netanyahu reiterou que as forças israelenses atacariam Rafah, mas disse que estavam preparando "um plano detalhado" para onde os civis poderiam ir.

"Nós vamos fazer isso. Vamos pegar os batalhões terroristas do Hamas que ainda restam em Rafah", disse ele, acrescentando que "faremos isso ao mesmo tempo em que oferecemos uma passagem segura para a população civil".

Um porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da França disse que "uma ofensiva israelense em grande escala em Rafah criaria uma situação humanitária catastrófica de uma dimensão nova e injustificável".

Netanyahu colocou em dúvida a exatidão do número de mortos palestinos, descrevendo os números produzidos pelas autoridades de saúde em Gaza, controlada pelo Hamas, como "estatísticas do Hamas".

"Foi morto apenas um civil para um terrorista do Hamas em Gaza", disse ele.

Ele disse que "matamos ou ferimos cerca de 20.000 terroristas do Hamas, dos quais 12.000 são combatentes", sem dar mais explicações.

As autoridades de saúde palestinas dizem que cerca de 70% das pessoas mortas em Gaza são mulheres ou crianças menores de 18 anos. Os militares israelenses disseram em um briefing em dezembro que achavam que cerca de dois civis haviam sido mortos em Gaza para cada combatente do Hamas morto.

A Organização Mundial da Saúde descreveu o sistema do Ministério da Saúde palestino para relatar as baixas como "muito bom" e as agências da ONU citam regularmente seus números de mortes.

Contra a cerca da fronteira, coberta com arame farpado, a família Abu Mustafa pendura roupa suja entre as tendas. Eles cozinham o pouco alimento que conseguem juntar em latas vazias em uma fogueira na areia.

O medo de um ataque a Rafah é o assunto constante de todas as conversas na cidade lotada, disse Mariam, uma mulher que fugiu de sua casa na Cidade de Gaza no início da guerra com seus três filhos de 5, 7 e 9 anos.

"Não consigo descrever como nos sentimos. Há um tumulto em minha cabeça. Meus filhos ficam me perguntando quando Israel invadirá Rafah, para onde iremos e se morreremos. E eu não tenho as respostas", disse ela.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade