PUBLICIDADE

Mundo

Padre italiano escapa de tomar cálice envenenado após sentir cheiro de água sanitária

Felice Palamara tinha feito críticas à máfia e alega que vem recebendo várias ameaças de morte durante seu tempo na igreja

27 fev 2024 - 19h34
(atualizado às 19h51)
Compartilhar
Exibir comentários
O padre Felice Palamara
O padre Felice Palamara
Foto: Reprodução/Facebook

O padre Felice Palamara escapou de tomar um gole de vinho envenenado após sentir o cheiro de água sanitária durante a celebração de uma missa em Cessaniti, na região da Calábria, na Itália. As autoridades acreditam que o caso esteja relacionado à máfia. 

De acordo com o The Guardian, o pároco estava fazendo a celebração na tarde de sábado, 24, na Igreja San Nicola di Pannaconi e tinha acabado de consagrar o cálice de água e vinho. Quando estava prestes a beber, notou um cheiro estranho. 

A missa foi interrompida, e a polícia foi chamada. Exames laboratoriais feitos posteriormente confirmaram que a mistura continha água sanitária. 

O padre é conhecido por fazer comentários contra a Ndrangheta, uma organização criminosa da Calábria. Ele denuncia que vem recebendo várias ameaças de morte durante seu tempo na igreja e que seu carro foi vandalizado duas vezes nos últimos meses. Segundo o padre, ele conta com escolta policial. 

Nas redes sociais, Palamara comentou sobre a perseguição: “A minha vingança se chama amor, o meu escudo é o perdão, e a minha armadura é a misericórdia. Não vou insistir nos obstáculos, nem me assustarei com a escuridão”. 

Ao The Guardian, um bispo local chamado Attilio Nostro disse que a diocese onde Palamara ministra “vivia um momento de sofrimento devido a atos de intimidação que nada têm a ver com a vida cristã normal das paróquias”. 

“Por esta razão, apelo novamente às comunidades cristãs para que não desanimem com esta linguagem de violência. Não devemos ceder a esta lógica, nos deixando tentar pela inquietação e pela raiva”.

Além da suposta ameaça contra Palamara, o padre Francesco Pontoriero, da Paróquia San Basilio Magno, encontrou um gato morto no capô de seu carro. 

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade