0

Congresso autoriza presidente Obama a armar rebeldes sírios

Homens serão treinados para combater os radicais do Estado Islâmico

18 set 2014
21h34
  • separator
  • 0
  • comentários

O Congresso dos Estados Unidos adotou nesta quinta-feira o plano de apoio do presidente Barack Obama aos rebeldes sírios para ajudá-los a combater os jihadistas do Estado Islâmico (EI) no norte da Síria.

<p>Barack Obama fala sobre a aprovação de sua estratégia para armar e treinar rebeldes sírios na luta contra o Estado Islâmico, na Casa Branca, em 18 de setembro</p>
Barack Obama fala sobre a aprovação de sua estratégia para armar e treinar rebeldes sírios na luta contra o Estado Islâmico, na Casa Branca, em 18 de setembro
Foto: Larry Downing / Reuters

Por 78 votos contra 22, o Senado adotou nesta quinta a estratégia contra os jihadistas apresentada por Obama na semana passada e aprovada na véspera pela Câmara de Representantes.

Obama agradeceu ao Congresso por sua "rapidez e seriedade" em aprovar o plano de apoio aos rebeldes moderados na Síria contra o Estado Islâmico.

"Estou feliz de que o Congresso - a maioria dos democratas e a maioria dos republicanos -, na Câmara e no Senado, tenha votado em apoio ao elemento-chave de nossa estratégia".

O plano dá carta branca ao Pentágono para equipar e treinar os rebeldes sírios e determina que o Executivo apresente ao Congresso, a cada 90 dias, um relatório sobre sua execução, incluindo o número de combatentes formados e os grupos sírios beneficiados com treinamento, armas e equipamentos.

O projeto não prevê créditos adicionais para financiar a operação e destaca que não é uma autorização para envolver militares americanos no conflito.

Obama saudou a decisão dos franceses de participar dos bombardeios no Iraque, ao citar o anúncio do presidente François Hollande, e disse que a França "é um aliado sólido" nos esforços dos Estados Unidos contra o terrorismo.

Hollande autorizou a participação francesa em operações aéreas contra alvos da organização jihadista que proclamou um califado em territórios do Iraque e da Síria.

Nos últimos dias, Obama pressionou o Congresso com o objetivo de conseguir a cobertura política para iniciar uma ação militar na Síria contra o EI, embora a Casa Branca e muitos legisladores acreditem que o presidente tem a autoridade constitucional para realizar ataques aéreos na Síria, como fez no Iraque, para defender os interesses de segurança nacional.

Apesar do aval do Congresso, muitos republicanos acreditam que o plano de Obama é insuficiente para alcançar o objetivo de degradar e destruir o grupo Estado Islâmico, que invadiu grandes faixas territoriais do Iraque e da Síria.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade