0

Novo governo sul-coreano propõe negociações militares com Coreia do Norte

17 jul 2017
08h35
atualizado às 09h26
  • separator
  • comentários

A Coreia do Sul propôs nesta segunda-feira negociações com a Coreia do Norte, na primeira abertura à Pyongyang pelo governo do presidente sul-coreano, Moon Jae-in, para discutir maneiras de evitar atos de hostilidade perto da fronteira fortemente militarizada.

Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, durante coletiva de imprensa em Berlim, na Alemanha 05/07/2017 REUTERS/Michele Tantussi
Presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, durante coletiva de imprensa em Berlim, na Alemanha 05/07/2017 REUTERS/Michele Tantussi
Foto: Reuters

Não houve resposta imediata da Coreia do Norte à proposta para conversas nesta semana. Os dois lados continuam tecnicamente em guerra, mas Moon, que chegou ao poder em maio, prometeu engajar o regime norte-coreano no diálogo, bem como pressionar para impedir seu programa nuclear e de mísseis.

A oferta ocorreu após a Coreia do Norte afirmar ter conduzido o primeiro teste de um míssil balístico intercontinental no início do mês, e dizer ter dominado a tecnologia para montar uma ogiva nuclear no míssil. A Coreia do Sul e os Estados Unidos, seu principal aliado, contestam a afirmação.

"Negociações e cooperação entre as duas Coreias para aliviar a tensão e trazer paz na península coreana serão fundamentais para impulsionar um ciclo virtuoso mútuo por relações inter-coreanas e o problema nuclear da Coreia do Norte", disse o Ministro da Unificação da Coreia do Sul, Cho Myoung-gyon, em entrevista coletiva.

O Ministério da Defesa sul-coreano propôs negociações com a Coreia do Norte em 21 de julho em Tongilgak para interromper todas as atividades que estimulam tensão na linha de demarcação militar.

Tongilgak é um prédio norte-coreano na "cidade-trégua" de Panmunjom, na fronteira, usado para as negociações inter-coreanas anteriores. As últimas conversas ocorreram em dezembro de 2015.

Cho também demandou a restauração do Exército e de linhas diretas do governo em toda a fronteira, que foram cortadas pelo Norte no ano passado em resposta à imposição de sanções econômicas pelo Sul após um teste nuclear por Pyongyang. Ao total, o regime norte-coreano conduziu cinco testes nucleares e inúmeros testes de mísseis.

A Coreia do Sul também propôs negociações separadas por organizações da Cruz Vermelha, para retomar um projeto humanitário de reunir famílias separadas durante a Guerra Coreana de 1950 a 1953 em eventos supervisionados de alguns dias.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade