0

Milionários pedem aumento de impostos de ricos contra Covid

Manifesto foi assinado por cerca de 80 pessoas de vários países

15 jul 2020
10h39
atualizado às 10h51
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Um manifesto assinado por 83 milionários e bilionários pede que os governos aumentem os impostos para os chamados "super-ricos" para o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

Richard Curtis foi um dos que assinou o manifesto por mais impostos para os ricos
Richard Curtis foi um dos que assinou o manifesto por mais impostos para os ricos
Foto: EPA / Ansa - Brasil

"Hoje, nós milionários abaixo anunciados, pedimos que nossos governos aumentem impostos para pessoas como nós. Imediatamente. Substancialmente. Permanentemente. Podemos ter um papel crucial. Nós temos dinheiro e temos muito. Dinheiro que alguns estão precisando desesperadamente e que continuará a ser necessários nos próximos anos", diz o manifesto "Millionaires for Humanity" ("Milhonários para a Humanidade" em tradução livre").

Entre os que assinaram, estão pessoas dos Estados Unidos, Alemanha, Canadá e Reino Unido, entre eles a herdeira da de Walt Disney, Abigail Disney, o diretor britânico Richard Curtis e o empresário Djaffar Shalchi.

Segundo os milionários, "os problemas causados e revelados pela Covid-19 não podem ser resolvidos apenas com a caridade, mesmo se for generosa" e que esse é o momento para agir "para reequilibrar o mundo antes que seja tarde demais".

"Não teremos outra chance para fazer isso", afirmam dizendo que, diferentemente de milhões de pessoas no mundo, "não temos a preocupação de perder nosso emprego, as nossas casas ou a nossa capacidade de sustentar as nossas famílias".

No texto, eles citam que meio bilhão de pessoas no mundo podem ir para a faixa da pobreza e que os governos precisam levantar fundos para financiar tanto os sistemas de saúde como também o da Educação.

"Por isso, por favor, criem taxas, taxas e taxas. É a escolha justa, a única escolha. A humanidade é mais importante que o nosso dinheiro", finalizam.

Veja também:

Explosão no Líbano: BBC visita epicentro do desastre no porto de Beirute
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade