0

Jovens protestam contra inércia diante da mudança climática

Centenas de jovens ocuparam a frente do Capitólio em Washington

15 mar 2019
17h35
atualizado às 17h50
  • separator
  • comentários

Centenas de jovens faltaram às aulas para protestar em Washington nesta sexta-feira, parte do que organizadores classificaram como uma greve juvenil internacional para clamar por ações contra a mudança climática.

Bradando "ação climática já!", cerca de 1.500 estudantes participaram do evento diante do Capitólio, a sede do Congresso dos Estados Unidos, e marchas semelhantes foram realizadas em 46 Estados.

15/03/2019
REUTERS/Stephane Mahe
15/03/2019 REUTERS/Stephane Mahe
Foto: Reuters

As manifestações, exigindo que os políticos adotem ações para combater a mudança climática, apoiaram medidas como o New Deal Verde, uma proposta ambiental ambiciosa dos democratas que se tornou um para-raios de críticas republicanas.

"Esta é a única Terra que temos. Não existe Planeta B. Não existe outro lugar para irmos, então temos que salvá-lo", disse Elise Haverland, de 16 anos, de Silver Spring, Maryland.

Os manifestantes levavam cartazes caseiros coloridos com frases como "Nosso planeta, nosso futuro", "Deixem-nos viver" e "Não ferrem com nossa Terra".

Os estudantes também fizeram 11 minutos de silêncio, um para cada um dos anos que um relatório da Organização das Nações Unidas (ONU) disse que o mundo ainda tem para controlar a mudança climática.

Alunos de todo o mundo fizeram manifestações para exigir ações contra a mudança climática nesta sexta-feira.

"Adultos, venham lutar conosco!", disse Haven Coleman, de 12 anos, e um dos três organizadores do protesto nos EUA, de cima de um palanque.

Os dois outros líderes do movimento norte-americano são Isra Hirsi, filha de 16 anos da deputada democrata recém-eleita Ilhan Omar, de Mineápolis, e Alexandria Villasenor, nova-iorquina de 13 anos.

Veja também:

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade