PUBLICIDADE

Mundo

Hamas aceita resolução da ONU para trégua em Gaza, diz oficial

Acordo proposto por Biden foi aprovado em Conselho de Segurança

11 jun 2024 - 07h51
(atualizado às 08h33)
Compartilhar
Exibir comentários

O movimento fundamentalista islâmico Hamas aceitou nesta terça-feira (11) a resolução apresentada pelos Estados Unidos para um cessar-fogo na guerra no Oriente Médio anunciada pelo presidente Joe Biden e aprovada no Conselho de Segurança da ONU.

    Em declaração à agência Reuters, Sami Abu Zuhri, um alto funcionário do Hamas, explicou que o grupo está pronto para negociar os detalhes do acordo, acrescentando que cabe a Washington garantir que Israel o respeite.

    "A administração dos EUA enfrenta um verdadeiro teste para cumprir os seus compromissos de obrigar a ocupação a acabar imediatamente com a guerra na implementação da resolução do Conselho de Segurança da ONU", afirmou Zuhri.

    De acordo com o alto funcionário, o Hamas aprova a fórmula que estabelece um processo gradual, em três fases, que envolvem a retirada das tropas israelenses, o fim permanente das hostilidades e a libertação de todos os reféns.

    A confirmação é feita um dia após o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, se reunir com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, "que reafirmou o seu compromisso com o acordo de cessar-fogo proposto", segundo o norte-americano.

    O chefe da diplomacia dos EUA, que visita o território israelense, classificou também como "um sinal de esperança" a reação do Hamas, que já havia saudado a resolução aprovada no Conselho de Segurança da ONU.

    Em Tel Aviv, Blinken deve se reunir com autoridades israelenses nesta terça para continuar as conversas sobre os planos para Gaza e intensificar os esforços para encerrar a guerra contra o Hamas, deflagrada desde o dia 7 de outubro, quando o grupo atacou o território israelense.

    Biden, inclusive, convidou o Hamas a "demonstrar" que realmente quer uma trégua na Faixa de Gaza, aceitando o acordo proposto no plano americano para "estabelecer um cessar-fogo com a libertação dos reféns israelenses". .

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Publicidade