1 evento ao vivo

Grupo indígena anuncia que irá conversar com presidente no Equador

12 out 2019
17h05
  • separator
  • 0
  • comentários

Um grupo indígena no Equador que tem liderado grandes protestos para restaurar um subsídio ao combustível disse, neste sábado, que decidiu conversar diretamente com o presidente Lenin Moreno, o primeiro sinal de um potencial avanço na disputa que levou a mais de uma semana de manifestações.

Minutos depois, o prefeito de Quito, Jorge Yunda, afirmou à emissora de televisão local Ecuavisa que o governo de Moreno havia decidido "analisar" a lei aprovada na semana passada que encerrou subsídios ao combustível e motivou uma reação crítica.

Os anúncios em sequência chegam após a capital Quito ser agitada pelo décimo dia de conflitos pelo plano de austeridade de Moreno, uma parte importante da sua tentativa de controlar o déficit fiscal, depois de assinar um empréstimo de US$ 4,2 bilhões com o Fundo Monetário Internacional (FMI).

O centro de Quito parecia uma zona de guerra, com fumaça de gás lacrimogêneo nublando ruas bagunçadas por tijolos e pequenos incêndios e grupos de pessoas amontoadas atrás de muros e barricadas improvisadas para proteção.

A polícia atirou gás lacrimogêneo contra manifestantes reunidos no prédio do parlamento do país, e avenidas de acesso ao aeroporto de Quito teriam sido bloqueadas pelas autoridades do aeroporto.

Emissoras locais de televisão informaram que pessoas colocaram fogo no prédio da Controladoria Geral, mostrando imagens dele envolto em fumaça.

Pelo menos quatro pessoas foram mortas na inquietação e centenas foram feridas e presas.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade