PUBLICIDADE

EUA voltam a rejeitar pedido da ONU por fim de embargo a Cuba

23 jun 2021 16h11
| atualizado às 16h17
ver comentários
Publicidade

O governo do presidente Joe Biden manteve nesta quarta-feira a tradição dos Estados Unidos de votar contra uma resolução da Assembleia Geral das Nações Unidas que pede o fim do embargo econômico norte-americano contra Cuba.

Assembleia Geral das Nações Unidas. 27/10/2015. REUTERS/Lucas Jackson.
Assembleia Geral das Nações Unidas. 27/10/2015. REUTERS/Lucas Jackson.
Foto: Reuters

A resolução foi aprovada pela 29ª vez com 184 votos a favor, três abstenções e dois votos contrários --EUA e Israel. A votação na Organização das Nações Unidas (ONU) pode ter peso político, mas só o Congresso dos EUA pode anular o embargo de mais de 50 anos.

Os EUA votaram constantemente contra as resoluções da ONU durante 24 anos, mas se abstiveram pela primeira vez em 2016 no governo do então presidente Barack Obama, quando Washington e Havana forjaram um relacionamento mais estreito.

Washington voltou a se opor à resolução na gestão do presidente Donald Trump, que também reverteu quase todas as medidas que Obama havia adotado para amenizar o embargo e melhorar os laços entre os EUA e seu ex-inimigo da Guerra Fria.

Durante sua campanha, Biden prometeu reverter algumas das medidas de Trump em relação a Cuba que "infligem dano ao povo cubano e não fazem nada para impulsionar a democracia e os direitos humanos". Mas ainda não cumpriu tal promessa, e seu governo diz que uma mudança na política para a ilha não está entre suas prioridades.

Antes da votação, o diplomata norte-americano Rodney Hunter disse à Assembleia Geral da ONU que sanções são um conjunto de ferramentas do esforço mais amplo de Washington no que diz respeito a Cuba para impulsionar a democracia, promover o respeito pelos direitos humanos e ajudar o povo cubano a exercitar liberdades fundamentais.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade