PUBLICIDADE

Mulher é baleada dentro do Congresso dos EUA

A identidade da vítima e seu estado de saúde não foram divulgados

6 jan 2021 18h17
| atualizado às 18h27
ver comentários
Publicidade

Uma mulher foi baleada durante os confrontos entre policiais e manifestantes que invadiram o Capitólio, sede do Congresso dos Estados Unidos, nesta quarta-feira (6), informou a imprensa americana. Segundo o jornal Washington Post, ela foi atingida no ombro. A identidade da vítima e seu estado de saúde não foram divulgados.

Trump ordena envio da Guarda Nacional ao Congresso
Trump ordena envio da Guarda Nacional ao Congresso
Foto: Stephanie Keith / Reuters

O incidente aconteceu logo após apoiadores de Donald Trump invadiram o Congresso norte-americana. A polícia respondeu com armas em punho e gás lacrimogêneo no Capitólio dos Estados Unidos nesta quarta-feira, conforme uma multidão de manifestantes invadia o local e tentava forçar o Congresso a desfazer a derrota eleitoral do presidente logo depois que alguns dos colegas republicanos de Trump lançaram um último esforço para rejeitar os resultados eleitorais.

Membros da Câmara dos Deputados foram escoltados por policiais do local onde estavam debatendo depois que parlamentares alinhados a Trump contestaram os resultados da eleição --um esforço que muito provavelmente não terá sucesso. O Senado teve as atividades suspensas abruptamente e o vice-presidente Mike Pence, que havia presidido uma sessão conjunta do Congresso, foi escoltado para fora do plenário.

A Polícia do Capitólio disse aos parlamentares na Câmara para tirar máscaras de gás debaixo de seus assentos e se preparar para colocá-las. Agentes na porta da frente do local deixavam as armas em punho quando alguém tentava entrar no local.

Agentes ordenaram que as pessoas na Câmara se jogassem no chão para sua segurança.

As cenas caóticas aconteceram depois que Trump se dirigiu a milhares de apoiadores em ato perto da Casa Branca, repetindo suas alegações infundadas de que a eleição foi roubada dele devido a uma fraude generalizada.

Autoridades eleitorais de ambos os partidos e observadores independentes disseram que não houve fraude significativa na eleição de 3 de novembro, que Biden venceu por mais de 7 milhões de votos na disputa popular nacional.

Semanas se passaram desde que os Estados concluíram a certificação de que Biden, um democrata, venceu a eleição por 306 votos do Colégio Eleitoral contra 232. As contestações de Trump à vitória de Biden foram rejeitadas por tribunais de todo o país.

A certificação no Congresso, normalmente uma formalidade, tinha previsão de se estender por várias horas, conforme alguns parlamentares republicanos se esforçavam para rejeitar algumas contagens estaduais, começando pelo Arizona.

Fora do Capitólio, membros de grupos de milícias e grupos de extrema-direita, alguns com armaduras corporais, misturavam-se à multidão. Manifestantes gritando slogans pró-Trump derrubaram barricadas e entraram em confronto com a polícia.

No Twitter, Trump pediu aos manifestantes no capitólio que permanecessem pacíficos.A prefeita de Washington D.C., Muriel Bowers, ordenou um toque de recolher em toda a cidade a partir das 18h (20h no horário de Brasília).

Com informações da Ansa.

    .
   

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade