PUBLICIDADE

Mundo

Esboço de declaração do G7 recua sobre direitos LGBTQIA

Segundo agência, menção ao tema foi excluída

14 jun 2024 - 07h54
(atualizado às 08h09)
Compartilhar
Exibir comentários

O comunicado final da cúpula de líderes do G7 em Borgo Egnazia, na Itália, não teria referências à proteção da identidade de gênero e da orientação sexual, ao contrário do que ocorreu na reunião do grupo em Hiroshima, em 2023.

    A informação é da agência Bloomberg, que visualizou o esboço da declaração e diz que a decisão de ignorar a comunidade LGBTQIA+ estaria ligada à inédita presença do papa Francisco no G7 nesta sexta-feira (14).

    Na reunião do ano passado, o grupo se comprometeu a trabalhar para "assegurar participação plena, igualitária e significativa de pessoas LGBTQIA+ na política, economia, educação e em outras esferas da sociedade".

    Além disso, o comunicado final do G7 de Hiroshima falava em combater a violência e a discriminação em função da "identidade de gênero ou da orientação e expressão sexual".

    Na última quinta (13), os negociadores em Borgo Egnazia já haviam retirado qualquer menção explícita à palavra "aborto", decisão criticada pelo presidente da França, Emmanuel Macron.

    "Vocês conhecem a posição da França, que inseriu o direito ao aborto na Constituição. A mesma sensibilidade não existe no seu país [a Itália]. Lamento, mas respeito porque foi a escolha soberana do seu povo", disse Macron ao ser questionado pela ANSA no primeiro dia do G7.

    Sem citar o presidente francês, a premiê italiana, Giorgia Meloni, criticou quem "faz campanha eleitoral em um fórum precioso como o G7".

Ansa - Brasil   
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade