3 eventos ao vivo

Belarus tem conflitos violentos com repressão a protestos após eleições

10 ago 2020
20h15
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Pelo menos uma pessoa morreu quando a polícia bielorrusa entrou em confronto com manifestantes, nesta segunda-feira, após a oposição acusar o presidente Alexander Lukashenko de fraudar sua reeleição, diante de uma série de críticas de líderes ocidentais. 

Manifestantes de oposição protestam em Minsk após resultado de eleição
10/08/2020
 REUTERS/Vasily Fedosenko
Manifestantes de oposição protestam em Minsk após resultado de eleição 10/08/2020 REUTERS/Vasily Fedosenko
Foto: Reuters

A polícia disparou bombas de efeito moral e de gás lacrimogêneo e usou bastões para dispersar milhares de pessoas na capital Minsk, na segunda noite seguida de violência. Manifestantes estabeleceram barricadas em várias partes da cidade. 

Um homem morreu após tentar arremessar um dispositivo explosivo não identificado contra a polícia e que estourou em suas mãos, segundo o governo. A imprensa local disse que conflitos estavam sendo registrados em outras cidades. 

No poder há mais de um quarto de século, Lukashenko declarou sua vitória arrebatadora contra Svetlana Tikhanouskaya, uma ex-professora de inglês que emergiu da obscuridade para liderar o maior desafio ao governo em anos. 

O secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, disse que a votação "não foi livre e justa" e criticou "a violência contra os manifestantes e a detenção dos apoiadores da oposição". 

Observadores internacionais não consideram que as eleições sejam justas e livres em Belarus desde 1995, e o período que antecedeu a votação mais recente contou com prisões de alguns dos rivais de Lukashenko e investigações criminais de outros que declaram oposição ao seu governo.

Veja também:

O chocante vídeo em que 4 homens espancam e matam mulher a tiros em Moçambique
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade