1 evento ao vivo

Putin manifesta apoio a Maduro em Moscou

Presidente da Venezuela viajou à Rússia em busca de ajuda financeira para seu país, assolado por uma grave crise econômica.

5 dez 2018
17h51
atualizado às 18h08
  • separator
  • comentários

O presidente russo, Vladimir Putin, manifestou nesta quarta-feira (5) apoio ao seu homólogo venezuelano, Nicolás Maduro, que visita Moscou em busca de ajuda financeira para seu país.

Maduro espera poder contar com o apoio da Rússia após ter se isolado cada vez mais no cenário internacional. Os Estados Unidos e União Europeia (UE) aplicaram sanções ao governo do presidente venezuelano, acusado de minar instituições democráticas para se manter no poder enquanto seu país enfrenta uma grave crise econômica e política.

Putin (dir.) disse apoiar esforços de Maduro para normalizar as relações com a oposição
Putin (dir.) disse apoiar esforços de Maduro para normalizar as relações com a oposição
Foto: DW / Deutsche Welle

No início do encontro na capital russa, Putin reconheceu que "a situação na Venezuela continua difícil" e destacou que a Rússia apoia os esforços de Maduro para "conseguir o entendimento na sociedade e a normalização das relações com a oposição".

"Certamente, condenamos qualquer ação que tenha uma clara natureza terrorista, qualquer tentativa de mudar a situação com ajuda da força", ponderou o presidente russo.

Maduro respondeu afirmando que seu governo superou desafios com que teve que lidar. "Enfrentamos várias ameaças e agressão, mas aprendemos como lidar com elas. Mantemo-nos firme, estamos vencendo."

O presidente venezuelano afirmou ainda estar ansioso para ampliar os laços econômicos com a Rússia, um importante aliado de Caracas. Maduro disse ter certeza de que a conversa com Putin resultaria em "boas notícias para a cooperação e para as economias dos nossos países".

Antes do encontro, o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov, afirmou que Maduro viajou a Moscou especificamente para pedir ajuda financeira. "A conversa terá como foco a ajuda de que o líder venezuelano precisa", disse Peskov, sem dar detalhes de quanto a Rússia poderia emprestar a Caracas.

A Rússia e a Venezuela mantêm laços de longa data. O antecessor de Maduro, Hugo Chávez, era um convidado bem-vindo no Kremlin.

A maior petrolífera russa, a Rosneft, investiu fortemente no país sul-americano, cuja produção de petróleo vem caindo a cada mês. Mesmo com a produção em queda, a Venezuela precisa continuar fornecendo para Rússia, China e Cuba para cobrir dívidas e agradar aos aliados políticos. Ao mesmo tempo, o país também vende petróleo para os EUA para obter dólares.

Recentemente, o CEO da Rosneft, Igor Sechin, visitou Caracas e pressionou o governo de Maduro a continuar se atendo a seus compromissos com a Rússia.

Críticos culpam duas décadas de governos socialistas, corrupção e má gestão pela destruição da antes próspera indústria petrolífera da Venezuela, sob comando da estatal PDVSA.

Com uma economia dependente do petróleo, o país sofreu com a queda global do preço da commodity. A grave crise econômica que afeta a Venezuela, marcada por hiperinflação e escassez de alimentos, medicamentos e outros produtos básicos, provocou um êxodo de centenas de milhares de venezuelanos. A ONU estima que 3 milhões deixaram o país desde 2015.

 

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade