1 evento ao vivo

Criminosos furtam 42 fuzis e deixam réplicas de madeira no lugar no Paraguai - arsenal pode chegar ao Brasil

Armamento estava em um quartel da polícia na cidade de Capiatá, a 20 km da capital do Paraguai; segundo ministro, armas podem parar nas mãos de 'criminosos internacionais'.

28 ago 2018
14h21
atualizado às 14h33
  • separator
  • comentários

A polícia do Paraguai descobriu que 42 fuzis foram furtados de um quartel do país. No lugar das armas, os ladrões colocaram réplicas de madeira e plástico para enganar as autoridades.

Os fuzis FN FAL são amplamente utilizados por forças de segurança no mundo; mais de 40 unidades foram furtadas
Os fuzis FN FAL são amplamente utilizados por forças de segurança no mundo; mais de 40 unidades foram furtadas
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Segundo as autoridades do país, as armas - do modelo FN FAL - podem ter como destino a Argentina e também o Brasil.

A investigação começou depois que alguns dos fuzis começaram a aparecer no mercado ilegal paraguaio. Cada um pode custar até US$ 10 mil (cerca de R$ 41 mil).

As armas foram furtadas de um depósito policial da cidade de Capiatá, a cerca de 20 km de Assunção, capital do Paraguai.

A imprensa local publicou fotos das réplicas e classificou o furto como "escândalo vergonhoso" para a história da força policial do país.

Mapa de Capiatá
Mapa de Capiatá
Foto: BBC News Brasil

As autoridades suspeitam que parte das armas pode chegar aos países vizinhos Brasil e Argentina. Segundo a Polícia Federal brasileira, boa parcela de armamento ilegal apreendido no país nos últimos anos era oriunda do Paraguai. As armas chegaram ao território brasileiro por meio do contrabando.

Bolívia, Argentina e Estados Unidos também estão na lista de países de origem de arsenal ilegal encontrado no Brasil.

Ministro do Paraguai fala em 'situação grave'

O ministro do Interior do Paraguai, Juan Ernesto Villamayor, anunciou nesta segunda-feira que sua pasta vai investigar o desvio de armamento. Ele também classificou o episódio como "grave", afirmando que as armas podem parar na mãos de criminosos internacionais.

O ministro do Interior do Paraguai, Juan Ernesto Villamayo, classificou o furto de fuzis como 'grave'
O ministro do Interior do Paraguai, Juan Ernesto Villamayo, classificou o furto de fuzis como 'grave'
Foto: Ministério do Interior do Paraguai / BBC News Brasil

Investigações da polícia e do Ministério Público brasileiro apontam que o Paraguai é um dos países da América Latina com maior presença de membros da facção criminosa paulista PCC fora do Brasil. Estima-se que mais de 500 integrantes do grupo vivam hoje no país vizinho.

No ano passado, a quadrilha foi acusada de promover um dos maiores roubos da história do Paraguai, quando levou milhões de reais de uma empresa de transporte de valores. No assalto, que ocorreu na cidade fronteiriça de Ciudad del Este, a facção utilizou fuzis, metralhadoras e bombas.

O furto de armas no Paraguai é recorrente. Segundo o ministro Villamayor, entre e janeiro e julho deste ano, um total de 90 armas desapareceram ou foram perdidas por policiais do país.

"Não é possível aceitar como algo normal quando um oficial da polícia perde uma arma", disse Villamayor, que assumiu o cargo em agosto.

Os rifles furtados foram levados para o depósito porque a polícia os estava substituindo por outros mais novos. O agente responsável pelo arsenal foi substituído.

Veja também:

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade