PUBLICIDADE

Michelle Bolsonaro ora por Mendonça e cena anima disputa por voto evangélico

Nas redes sociais, vídeo em que primeira-dama celebra a nomeação de André Mendonça ao STF dividiu opiniões, dando o tom da disputa já antecipada pelo voto evangélico

6 dez 2021 09h37
| atualizado às 10h20
ver comentários
Publicidade

A repercussão das comemorações e oração da primeira-dama Michelle Bolsonaro à aprovação de André Mendonça para o STF deixa clara a dimensão que o debate em torno da conquista do voto do eleitorado evangélico deve tomar na campanha presidencial. Na prática, a corrida para atrair esses eleitores já começou. Em vídeo que circula nas redes sociais, Michelle fala em línguas, diz "aleluia", "glória a Deus" e repete gestos comuns em cultos pentecostais ao receber a notícia de que o ex-ministro da Justiça conquistou o aval do Senado para ocupar uma cadeira na Corte.

A reação de Michelle alimentou a polêmica sobre o possível uso do vocabulário tradicional evangélico na tentativa de fortalecer uma imagem política. Como mostrou o Estadão na semana passada, o peso do voto religioso conservador foi um dos principais temas levantados por defensores da aprovação de Mendonça para o Supremo.

Michelle Bolsonaro repetiu gestos comuns em cultos evangélicos ao comemorar a aprovação de André Mendonça para o Supremo.
Michelle Bolsonaro repetiu gestos comuns em cultos evangélicos ao comemorar a aprovação de André Mendonça para o Supremo.
Foto: Reprodução / Estadão

Pastores e aliados buscaram persuadir parlamentares a votar a favor da indicação do presidente Bolsonaro e, assim, "ganhar pontos" com esse segmento da sociedade, considerado importantíssimo no xadrez eleitoral do ano que vem. "Qual senador, que é voto majoritário, quer contrariar 30% da população?", disse o pastor Silas Malafaia, da Assembleia de Deus Vitória em Cristo.

O presidente Jair Bolsonaro também fez da indicação de Mendonça uma oportunidade para fortalecer sua ligação com os religiosos conservadores. O mandatário usa desde o princípio a expressão "terrivelmente evangélico" para se referir ao ex-advogado-geral da União, que também é pastor presbiteriano. Após a aprovação no Senado, Bolsonaro comemorou dizendo estar feliz por ter conseguido conduzir alguém "com Deus no coração" à Corte.

Nas redes sociais, a comemoração de Michelle motivou diferentes interpretações. Perfis voltados ao público conservador enxergaram uma manifestação genuína da fé da primeira-dama, que frequenta a Igreja Batista. Críticos do presidente apontaram o fator político da cena, que seria um aceno à expectativa nas urnas em 2022 ou, ainda, uma comemoração sobre o que Mendonça, como ministro da Suprema Corte, pode representar para a família Bolsonaro.

O deputado federal Ivan Valente (PSOL-SP) lembrou que o ex-ministro deve herdar de Marco Aurélio Mello o processo do cheque depositado por Fabrício Queiroz na conta de Michelle. Já a deputada Carla Zambelli, buscou associar "a esquerda" à rejeição de ter um ministro evangélico na Corte.

Assine o Estadão para ter acesso a notícias e análises mais aprofundadas, além de um aplicativo exclusivo e sem publicidade.

Estadão
Publicidade
Publicidade