PUBLICIDADE

Médico de Bolsonaro chega ao País e avalia eventual cirurgia

Profissional de saúde interrompeu suas férias nas Maldivas para estudar tratamento adequado no chefe do Executivo, seu paciente desde o episódio da facada em 2018

4 jan 2022 06h47
| atualizado às 07h04
ver comentários
Publicidade
Bolsonaro em foto no hospital divulgada em sua própria conta no Twitter
Bolsonaro em foto no hospital divulgada em sua própria conta no Twitter
Foto: Reprodução

O médico-cirurgião Antônio Luiz Macedo, que acompanha o presidente Jair Bolsonaro (PL), chegou ao Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, às 06h10, desta terça-feira, 4. O profissional de saúde interrompeu suas férias nas Maldivas para decidir se o tratamento incluirá uma nova cirurgia no mandatário, seu paciente desde o episódio da facada na região do abdômen em setembro de 2018.

Macedo desembarcou no Aeroporto de Guarulhos por volta das 5h30 e se dirigiu diretamente ao hospital. Chegou na unidade de saúde sem falar com a imprensa, que estava no local.

Em entrevista anterior ao Estadão/Broadcast Político, o médico informou que os próximos passos do tratamento só serão tomados após ter acesso a resultados detalhados do presidente. "A decisão se (Bolsonaro) vai ser operado ou não depende de um exame clínico criterioso por parte do cirurgião. Não é uma tomografia que vai dizer se vai ser operado, hemograma, PCR, nada disso", afirmou.

Outros médicos do Vila Nova Star já examinaram o presidente e avaliaram que talvez a cirurgia não seja o procedimento indicado. "Mas, eu chegando, vou direto ao hospital, vou examinar direitinho e ver se há necessidade de operação ou não", acrescentou.

Movimentação no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde o presidente Jair Bolsonaro está internado
Movimentação no Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, onde o presidente Jair Bolsonaro está internado
Foto: André Ribeiro / Futura Press

Bolsonaro deu entrada na unidade hospitalar com um novo quadro de obstrução intestinal após desembarcar em São Paulo na madrugada desta segunda, 3. As dores abdominais enfrentadas pelo presidente são em decorrência do atentado a faca sofrido por ele durante a campanha presidencial de 2018, em Juiz de Fora, Minas Gerais.

O boletim médico divulgado ainda na noite desta segunda, 3, apontou uma evolução no quadro do político. De acordo com o texto, Bolsonaro evoluiu "sem febre ou dor abdominal". Ele chegou a fazer uma curta caminhada pelo corredor do hospital.

Estadão
Publicidade
Publicidade