PUBLICIDADE

General iraniano é morto em ataque na Síria

1 abr 2024 - 17h06
Compartilhar
Exibir comentários

Governos da Síria e do Irã acusam Israel de bombardear consulado iraniano em Damasco. Segundo Teerã, ação matou general da Guarda Revolucionária iraniana.As autoridades da Síria e do Irã acusaram Israel nesta segunda-feira (01/04) de executar um ataque que destruiu o consulado iraniano em Damasco, deixando oito mortos, entre eles Mohamad Reza Zahedi, um general da Guarda Revolucionária iraniana.

Ruínas do consulado iraniano em Damasco
Ruínas do consulado iraniano em Damasco
Foto: DW / Deutsche Welle

"Por volta das 17h de hoje (horário local, 11h de Brasília), o inimigo israelense realizou uma ofensiva aérea contra o prédio do consulado iraniano em Damasco", disse uma fonte militar não identificada à agência de notícias estatal síria Sana.

Segundo a agência, o ataque "destruiu completamente o edifício e afetou todos os que se encontravam no seu interior, resultando em mortos e feridos", sem dar mais detalhes.

Veículos comunicação oficiais iranianos, por sua vez, identificaram Zahedi como um dos mortos no ataque, que não foi reivindicado por Israel, como é habitual quando se trata de bombardeios israelenses contra território sírio. O jornal americano New York Times apontou que autoridades de Israel confirmaram, sob anonimato, que o país de fato executou o ataque.

"O regime sionista (Israel) atua contra as leis internacionais, motivo pelo qual receberá uma dura resposta da nossa parte", afirmou em Damasco o embaixador do Irã na Síria, Hossein Akbari. O diplomata testemunhou da janela da embaixada iraniana o ataque contra o consulado, que, segundo ele, foi realizado com caças F-35 que dispararam seis mísseis contra instalações iranianas.

Por sua vez, o ministro das Relações Exteriores iraniano, Hossein Amir Abdollahian, classificou o ataque ao consulado como "uma violação de todas as obrigações e convenções internacionais". "Enfatizo a necessidade de uma resposta séria da comunidade internacional a tais ações criminosas", disse Abdollahian em um pronunciamento conjunto com seu homólogo sírio, Faisal Mekdad.

Outro general foi morto em dezembro

O Irã tem sido um aliado crucial de Damasco na guerra civil na Síria, para onde Teerã enviou soldados e conselheiros militares, bem como forneceu apoio econômico e político ao seu principal aliado no Oriente Médio.

Em dezembro, outro general da Guarda Revolucionária do Irã foi morto em um ataque na Síria. Na ocasião, o regime fundamentalista de Teerã também acusou Israel de executar o ataque e prometeu fazer o país "pagar" pelo que classificou de crime".

À época, a mídia estatal iraniana apontou que o general em questão, chamado Razi Moussavi, era "um dos conselheiros mais experientes" da Força Quds, uma unidade especial da Guarda Revolucionária Islâmica (IRGC). Moussavi também havia colaborado no passado com o general Qassem Soleimani, antigo comandante da Força Quds, que foi morto em Bagdá em um ataque de drone executado pelos EUA em 2020.

Na última sexta-feira (29/03), Israel também foi acusada pela Síria e o Irã de realizar um de seus ataques mais mortais em meses contra a província de Aleppo, no norte da Síria. Na ocasião, ao menos 50 soldados sírios e combatentes do grupo Hisbolá (apoiado pelo Irã) morreram, segundo a ONG Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH).

jps (EFE, ots)

Deutsche Welle A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Publicidade