PUBLICIDADE

PSDB vai contratar nova empresa para votação das prévias

Relatasoft foi a empresa escolhida para cuidar da iniciativa desde que o novo sistema passe pelo "teste de estresse" ao qual será submetido

23 nov 2021 16h31
| atualizado às 16h45
ver comentários
Publicidade
Eduardo Leite, Arthur Virgílio e João Doria no palco do auditório do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, antes das prévias do PSDB
Eduardo Leite, Arthur Virgílio e João Doria no palco do auditório do Centro de Convenções Ulysses Guimarães, em Brasília, antes das prévias do PSDB
Foto: Dida Sampaio / Estadão

O PSDB decidiu contratar uma nova empresa para concluir o sistema de votação de suas prévias presidenciais. No último domingo (21), o partido foi obrigado a suspender o processo de escolha do candidato tucano ao Palácio do Planalto após uma série de falhas apresentadas pelo aplicativo da Fundação de Apoio da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faurgs), contratada para o serviço. Agora, a Relatasoft foi escolhida para cuidar do novo aplicativo, o D. Voto, desde que o novo sistema passe pelo "teste de estresse" ao qual será submetido. A empresa integra o Projeto Eleições do Futuro, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

A ideia agora é retomar a votação o mais rapidamente possível. Mas, além dos ajustes técnicos, a nova data depende das negociações políticas entre os candidatos. Disputam as prévias os governadores João Doria (São Paulo), Eduardo Leite (Rio Grande do Sul) e o ex-prefeito de Manaus Arthur Virgílio.

Segundo dirigentes do PSDB, os técnicos da Faurgs não forneceram explicações convincentes sobre o problema envolvendo a ferramenta de votação nem teriam oferecido soluções seguras para que continuassem participando das prévias. O aplicativo custou cerca de R$1,5 milhão.

"O PSDB foi vítima de um problema técnico nas prévias para escolher seu candidato à presidência da República e busca meio para retomá-las. Entre as possibilidades, já há empresa que será submetida ao teste de estresse por todas as candidaturas. Mais alternativas estão em análise. Ainda não foi apresentado diagnóstico do ocorrido pela Fundação de Apoio à Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Faurgs), desenvolvedora do aplicativo que apresentou falhas. O fundamental é garantir o voto dos filiados já cadastrados. Os votos já registrados na urna e em aplicativo estão válidos e serão computados", disse o PSDB, em nota oficial.

A troca de empresa ainda deve provocar mais acusações entre os candidatos do PSDB. Doria e Virgílio estão alinhados e apoiam a substituição imediata do aplicativo. Já Eduardo Leite, tem colocado obstáculos à mudança da plataforma de votação. Desde o início das prévias, Leite defendeu o uso do aplicativo desenvolvido pela Faurgs. Doria era contrário.

Seja com qualquer desfecho, o PSDB sai desse processo tendo de administrar o desgaste pela interrupção da votação e pelo aprofundamento de sua divisão política, especialmente entre os grupos de Doria e Leite.

Estadão
Publicidade
Publicidade