PUBLICIDADE

Barroso ameaça suspender Telegram no Brasil: "Não é casa da sogra"

Presidente do TSE diz que plataforma é relevante no processo eleitoral e deve estar sujeita à legislação brasileira

13 fev 2022 - 16h49
(atualizado às 16h55)
Ver comentários
Ministro Roberto Barroso participa de sessão do Supremo Tribunal Federal
07/03/2018
REUTERS/Ueslei Marcelino
Ministro Roberto Barroso participa de sessão do Supremo Tribunal Federal 07/03/2018 REUTERS/Ueslei Marcelino
Foto: Reuters

Em entrevista para o GLOBO, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso voltou a discutir a possível suspensão do Telegram no País. No início do mês, em entrevista ao Estadão, Barroso chegou a afirmar que não gosta da ideia de banir uma plataforma, contudo, o aplicativo tem ignorado tentativas de diálogo feitas pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que busca um trabalho em conjunto no combate à desinformação durante as eleições de 2022.

"Eu penso que uma plataforma, qualquer que seja, que não queira se submeter às leis brasileiras deva ser simplesmente suspensa", afirmou.

Outras redes sociais, como Facebook, WhatsApp e TikTok já fizeram parceria com o TSE nas eleições municipais de 2020, com o objetivo de conter redes de desinformação. Portanto, a recusa do Telegram de cooperar com a Justiça brasileira pode acabar causando sua suspensão no País.

"Nenhum ator relevante no processo eleitoral pode atuar no País sem que esteja sujeito à legislação e a determinações da Justiça brasileira", declarou Barroso.

Para o ministro, o Brasil "não é casa da sogra" e não deve suportar um aplicativo que seja sede para ataques à democracia, ou faça apologia ao nazismo, ao terrorismo e possibilite a venda de armas.

Barroso é presidente do Tribunal Superior Eleitoral até dia 22 de fevereiro, quando deve passar o cargo para o ministro Edson Fachin.

Estadão
Publicidade
Publicidade