1 evento ao vivo

Alckmin diz ser favorável a 'alternativa' a imposto sindical

Tucano ligou para Paulinho da Força (Solidariedade) para desfazer mal-estar; ele culpa assessores por postagem no Twitter

21 jul 2018
14h23
atualizado às 14h57
  • separator
  • comentários

O pré-candidato à Presidência pelo PSDB, o ex-governador paulista Geraldo Alckmin, ligou para o deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força (Solidariedade), para dizer que a declaração sobre o fim da contribuição sindical postada em suas redes sociais "foi uma trapalhada de assessores". Na sexta-feira, 20, a postagem - que não foi retirada do perfil do candidato no Twitter - causou o primeiro atrito entre o tucano e o Centrão - grupos de partidos por DEM, PP, PR, PRB e o Solidariedade.

O ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência da República
O ex-governador Geraldo Alckmin, pré-candidato do PSDB à Presidência da República
Foto: Adriano Machado / Reuters

Um dia depois de acertar uma aliança com partidos do bloco, o perfil oficial de Alckmin no Twitter descartou a possibilidade de o acordo eleitoral incluir a revisão de pontos da reforma trabalhista para criar um tipo de contribuição sindical.

"Ao contrário do que está circulando nas redes, não vamos revogar nenhum dos principais pontos da reforma trabalhista. Não há plano de trazer de volta a contribuição sindical", anunciou o perfil.

A declaração incomodou os dirigentes do Solidariedade, ligado ao movimento sindical. O mal estar só foi desfeito às 23h de sexta-feira, após o ex-governador ligar de Rondônia, onde cumpre agenda política, para Paulinho para desfazer o incômodo.

Ao Estado, Paulinho detalhou a ligação. Ele disse que o ex-governador ligou assim que pousou em Porto Velho. Ainda no aeroporto, o tucano afirmou ao presidente do Solidariedade que o acordo com o Centrão de achar uma saída em torno de uma contribuição para ajudar a financiar sindicatos após a extinção do imposto sindical estava mantido.

De acordo com a assessoria de Alckmin, o ex-governador não viu post no Twitter antes que ele fosse publicado. Para assessores do ex-governador, o texto divulgado tem dois problemas: usa a palavra "contribuição" no lugar de "imposto" e não deixa claro que Alckmin tem preocupação com a sobrevivência financeira dos sindicatos.

A avaliação é de que o que foi publicado dá a entender que o tucano descartou tudo que havia sido acertado nas negociações. Alckmin e Paulinho vão se reunir na tarde do domingo para tratar do assunto. Segundo Paulinho, a aliança com o PSDB deve ser formalizada na quinta-feira, 26.

O Estado apurou que Alckmin é a favor da proposta do Solidariedade de que convenções de trabalhadores possam criar receitas extraordinárias ou contribuições voluntárias aos sindicatos. "É uma contribuição dentro da razoabilidade. Quem sugeriu nem fui eu, foi o ACM Neto (do DEM)", explicou Paulinho ao Estado.

Veja também

 

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade