PUBLICIDADE

Presidente do Inep diz que data do Enem será mantida e rebate acusações de servidores

Exame está marcado para ocorrer nos dias 21 e 28 de novembro; Danlo Dupas disse, em audiência na Câmara dos Deputados, que as provas estão prontas e as equipes, capacitadas

10 nov 2021 12h50
ver comentários
Publicidade

O presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Danilo Dupas, disse que a realização do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) está mantida para 21 e 28 de novembro, apesar da saída de 37 servidores de cargos de coordenação, ligados à realização da prova, principal acesso ao ensino superior do País. Em audiência na Câmara nesta quarta-feira, 10, ele disse que as "fases preparatórias foram concluídas" e o órgão está "absolutamente preparado" para as aplicações.

"As provas estão prontas e as equipes, capacitadas", acrescentou Dupas sobre o exame, que tem mais de 3 milhões de inscritos. Ele também disse repudiar e não compactuar com assédio moral - acusação feita contra ele por servidores do órgão, ligado ao Ministério da Educação (MEC). "Até o momento, não há nenhum ato administrativo meu tirando quaisquer responsabilidades do cargo que ocupo", afirmou.

Dupas negou ter exposto qualquer funcionário à humilhação e se colocou à disposição para investigar qualquer denúncia feita formalmente. Defendeu, além disso, que sua gestão é "aberta" e está em "constante diálogo" com quadro de funcionários.

Órgão do MEC vive crise

Trinta e sete servidores do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação (MEC) responsável pelo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), pediram exoneração e dispensa coletiva na segunda-feira, 8. Eles acusaram Dupas de desmonte da entidade, assédio e desconsideração de aspectos técnicos na tomada de decisões.

A carta de demissão diz que eles entregaram os cargos por causa da "fragilidade técnica e administrativa da atual gestão máxima do Inep". Todos são servidores antigos e experientes, que já passaram por várias provas do exame.

O líder do governo na Câmara, Ricardo Barros (Progressistas-PR), afirmou que a saída coletiva tem cunho ideológico. "Eles percebem que não vão se encaixar no novo projeto e acabam criando um fato, para parecer que eles é que estão saindo. Mas eles iam ser saídos mesmo. Está tudo certo, não tem nada de mais."

Estadão
Publicidade
Publicidade