PUBLICIDADE

Governo de SP promete alfabetizar 90% das crianças com 7 anos até 2026

Nesta terça-feira, foi lançado o programa Alfabetiza Juntos SP, que reúne cinco eixos; ações serão compartilhadas entre Estado e prefeituras paulistas

20 fev 2024 - 15h26
Compartilhar
Exibir comentários

O governo do Estado de São Paulo lançou nesta terça-feira, 20, o programa Alfabetiza Juntos SP com a promessa de alfabetizar 90% das crianças com 7 anos de idade até 2026, quando termina a gestão do governador Tarcísio de Freitas (Republicanos).

Segundo ele, será dado apoio técnico e pedagógico para que a meta seja alcançada. "A gente quer estar perto. A gente dedicou já centenas de funcionários da secretaria e das diretorias de ensino para detalhar todo o projeto", reforçou ele.

O decreto foi assinado pelo governador e também pelo secretário da Educação, durante solenidade que apresentou o programa nesta terça-feira.

"Nós acreditamos na alfabetização na idade certa. Vamos dar um avanço nesse quesito. E a gente sabe que isso vai ser 'combustível' para que nossos alunos cheguem lá na frente muito mais preparados. Que possam ganhar muito mais ferramentas", disse o governador de São Paulo.

Cinco eixos do Alfabetiza Juntos SP

  • Material didático impresso e digital de todas as disciplinas, incluindo inglês;
  • Formação para 40 mil professores com apoio da União dos Dirigentes Municipais de Educação SP (Undime-SP);
  • Tecnologia;
  • Avaliações: Fluência Leitora e Sistema de Avaliação do Rendimento Escolar do Estado de São Paulo (Saresp);
  • Premiações no valor de R$ 200 milhões, conforme meta estabelecida com base na nota do Saresp.

"Todos os municípios fizeram o Saresp no fim do ano. E esse Saresp dá uma nota de 0 a 10. E no fim deste ano tem Saresp novamente. Então, vamos pegar o município, por exemplo, que tirou nota 5 e vamos estudar o município, suas condições socioeconômicas e suas complexidades e vamos dar uma meta, por exemplo, 5.6. Cada escola que bater a meta, se tiver 500 alunos na escola, vai receber R$ 50 mil. Então, a regra é R$ 100 por aluno, se a escola bater a meta", explicou o secretário da Educação.

Avaliação de Fluência Leitora

Até 8 de dezembro do ano passado, São Paulo avaliou a fluência leitora de crianças do 2º ano do ensino fundamental de escolas estaduais e municipais de São Paulo de 600 municípios paulistas.

Ainda em dezembro, o resultado apontou que 64% dos alunos com até 7 anos eram leitores. Outros 36% foram classificados como pré-leitores. Foi a segunda edição da prova em 2023.

"Esses 36% não aprenderam a ler quando já deveriam terminar o ano aprendendo a ler. Esses alunos já começam com uma desvantagem. Eles têm entre 7 e 8 anos, mas já ficaram para trás. A defasagem vira uma bola de neve. Por isso, a gente precisa endereçar como política pública a alfabetização", disse Feder, ainda durante a solenidade desta terça-feira.

A medida, segundo o governo estadual, avalia se crianças com 7 anos de idade já dominam a leitura. A avaliação visa garantir a alfabetização dos pequenos e melhorar os resultados educacionais.

A Avaliação de Fluência Leitora analisa o desempenho individual dos alunos na leitura e compreensão de textos escritos. As crianças precisam mostrar habilidade, fluidez e ritmo de leitura para serem consideradas leitoras fluentes. Na avaliação, os alunos que conseguem ler entre 45 e 60 palavras corretamente por minuto já são considerados leitores fluentes.

Até o fim do ano passado, nem todos os municípios tinham aderido à iniciativa.

Conforme o governo estadual, a avaliação será expandida em 2024. A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo disse, na ocasião, que prevê três aplicações do exame: no começo das aulas, entre junho e agosto, e no fim do ano.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade