1 evento ao vivo

Trabalho voluntário é uma experiência enriquecedora

11 dez 2019
17h12
atualizado às 18h03
  • separator
  • 0
  • comentários

Há cerca de cinco anos, as empresas estavam preocupadas em alinhar seus programas de voluntariado aos objetivos de negócio. Hoje, estão mais preocupadas com os impactos internos na corporação e com a aquisição de habilidades de seus funcionários. A conclusão é um dos destaques da Pesquisa Voluntariado Corporativo no Mundo, elaborada pelo Itaú Social. "O estudo foi realizado com 47 empresas nacionais, regionais e mundiais, sediadas na Ásia, Europa, África, América do Norte e América do Sul", relata Vininha F. Carvalho, editora da Revista Ecotour News e Negócios (www.revistaecotour.news).

Foto: DINO / DINO

O voluntariado engajado não deve ser confundido com nenhum tipo de assistencialismo, pois tem como objetivo despertar as pessoas para os seus direitos como cidadãos e também para a força que elas passam a ter quando se organizam. Os brasileiros formam um exército silencioso de quase 7,5 milhões de voluntários - o equivalente a 4,4% da população com mais de 14 anos. Os dados são da Pesquisa Nacional de Amostra por Domicílios Contínua, divulgada pelo IBGE. Mesmo assim, o Brasil foi o pior colocado na América Latina em 2018, segundo World Giving Index. Trata-se da maior pesquisa sobre doação e mede o grau de solidariedade de várias nações. O movimento do voluntariado é um dos principais pilares do terceiro setor, que atua para promover o desenvolvimento social.

A maioria das empresas se organiza e administra seus programas de voluntariado por meio de comitês. Essas pequenas células favorecem a conexão com o programa central, o vínculo com os voluntários e as parcerias locais com as organizações da sociedade civil. Os comitês podem ser regionais, ou podem estar organizados também por área de atuação (como meio ambiente, diversidade, empreendedorismo comunitário) ou área interna da empresa (como finanças e recursos humanos).

Quase quatro em cada dez brasileiros (37%) se dizem dispostos a usar de 30% a 50% do tempo das suas férias para se dedicar ao volunturismo, que acontece quando o turista se envolve em alguma atividade não remunerada em prol do bem-estar social e/ou ambiental do destino que visita. É o que aponta uma pesquisa da Booking.com, que teve o objetivo de analisar o comportamento de viajantes de Brasil, Argentina, Colômbia e México.

Para o turista brasileiro, as razões que o motiva a fazer turismo de voluntariado são a satisfação pessoal (67%), a possibilidade de conhecer profundamente o destino visitado (64%) e o simples fato de gostar de ajudar (57%). Outro aspecto importante para 30% deles é o peso que o volunturismo pode ter no currículo profissional -- o número mais alto quando comparado com colombianos (21%), mexicanos (17%) e argentinos (12%), para quem o enriquecimento profissional não é tão evidente.

"O volunturismo não traz benefícios só para o próximo, se envolver em ações humanitárias ajuda no desenvolvimento da vida pessoal e profissional do voluntário. Habilidades como empatia, trabalho em equipe, capacidade de resolução de problemas, liderança, raciocínio lógico, proatividade e muitas outras são fortalecidos com essa experiência", enfatiza Vininha F. Carvalho.

No geral, os trabalhos que mais despertam interesse dos latino-americanos quando estão viajando são voltados para a natureza, educação e bem-estar dos animais. Estas atividades são as principais em quase todos os países.

O trabalho voluntário é uma experiência enriquecedora que transforma a vida das pessoas, por meio de uma relação de troca entre a comunidade e o voluntário. Ele merece um destaque no currículo, pois é sempre muito valorizado pelos recrutadores, já que possibilita o desenvolvimento de outras habilidades importantes para o ambiente corporativo. Muitas empresas valorizam este tipo de atividade no currículo e que em alguns casos pode até ser um fator de desempate.

"Ajudar alguém traz reações fisiológicas que desencadeiam uma série de benefícios ao corpo e à mente, como menos reatividade ao estresse, melhor qualidade de sono e padrões de atividade cerebral que foram associados a níveis mais baixos de depressão", conclui Vininha F. Carvalho.



Website: https://www.revistaecotour.news

Veja também:

Os maiores artilheiros da história do Vasco
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade