0

Os possíveis cenários do mercado de energia para o pós-Covid-19

9 jul 2020
15h57
atualizado às 16h23
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Um dos primeiros efeitos da crise da Covid-19 no mundo foi a redução do consumo de energia. A desaceleração da atividade econômica em razão das restrições à circulação das pessoas e ao isolamento social resultou na redução da demanda de energia de 25%, em média, nos países com lockdown total e de 18%, em média, em países com lockdown parcial (IEA 2020).

Foto: DINO / DINO

Estima-se que a despesa mundial com petróleo será reduzida em 1 trilhão de dólares, em 2020, enquanto a despesa com eletricidade sofrerá redução de 180 bilhões. No Brasil, a redução do consumo de energia elétrica foi de 11% entre 21 de março e 08 de maio no mercado regulado e 12% no mercado livre (CCEE). A redução está sendo mais forte no Sudeste e no Centro Oeste (14%) - com o RJ liderando em 21% - e no Sul (14%). O Nordeste apresentou diminuição de 11%, enquanto a região Norte apenas 2%. Em resposta à retração da demanda de energia, a geração por fontes renováveis sinaliza um pequeno crescimento (+0,8%) em 2020.

Os primeiros sinais do consumo na Europa durante o lockdown mostram um crescimento médio de 20% do consumo de renováveis com picos em alguns países específicos, como Grécia e Estônia. Consequentemente, espera-se uma redução das emissões de gases de efeito estufa (GEE) no curto prazo. Tais emissões, contudo, tendem a ter uma recuperação após o término da pandemia.

Investimentos 

Na avaliação da Bip, a queda no preço do petróleo atrelada à desaceleração econômica pode desencorajar o investimento em eficiência energética e em energias renováveis no Brasil e no mundo, além de incentivar o aumento do consumo de derivados de petróleo.

"Historicamente, os investimentos em fontes alternativas tiveram impulso em tempos de alta de preços do petróleo e de fontes fósseis. Atualmente, a baixa histórica dos preços de fontes fósseis e do petróleo não favorece investimentos em fontes renováveis. Muitos governos e setores econômicos apresentarão maior dificuldade em reduzir as suas emissões no longo prazo, devido aos baixos preços das commodities e O&G especificamente", afirma Paolo Ré, sócio da consultoria Bip e responsável pela pesquisa de cenários do setor.

Os investimentos em energia vão diminuir 20% em todo o mundo no ano de 2020, em comparação com 2019 (IEA), e nenhum dos subsegmentos vai ser poupado. A redução de investimentos em energia renovável e eficiência nos usos finais de energia vai ser sensivelmente menor do que em outras categorias (10% contra 30% em O&G). Os investimentos globais em energia elétrica e eficiência energética vão corresponder a cerca de 0,7% e 0,3% do PIB global, respectivamente, em 2020.

Tendências de mercado pós Covid-19

No cenário pós-Covid, as companhias terão que determinar os impactos provocados pela pandemia a médio e longo prazo e repensar suas estratégias, adaptando o negócio às exigências do mercado: um mundo mais digital, uma população com foco renovado em sustentabilidade e maior número de cidades inteligentes.

A Bip identificou que mesmo havendo uma redução dos investimentos em energia renovável, o foco em sustentabilidade e a transição energética para fontes renováveis irá continuar, principalmente, em energia solar e hídrica. A mobilidade elétrica e os medidores de energia inteligentes (ou smart meters, em inglês) também vão atrair mais investimentos.

Assim, o mercado de serviços avançados de energia ganhará forças:

1. Digitalização das redes e do relacionamento com o cliente

A digitalização irá ampliar a sustentabilidade e a resiliência das redes para uma série de novos serviços e otimização dos consumos. O Digital Twin, a Manutenção Preditiva, o Smart Grid / Smart meters são os componentes fundamentais para modernização da distribuição.

Ao mesmo tempo, o relacionamento com os clientes da rede elétrica será cada vez mais digital, habilitando a medição autônoma, a interação eletrônica para assistência técnica, o faturamento e o pagamento eletrônico. As distribuidoras vão ter benefícios substanciais de redução de custos operacionais e de redução da inadimplência.

2. Eficiência energética e Geração Distribuída

  • Geração Distribuída - o consumidor se tornará produtor de energia, com uma pequena planta de geração fotovoltaica nas suas dependências. A energia gerada vai entrar na rede. No Brasil, o mercado potencial anual é de R$1,5 bilhões (pesquisa Bip, 2019).
  • EMS (Energy Management System) - serviços (e sistemas) de monitoramento e otimização do consumo. A BIP estima um potencial de mercado de mais de R$ 3,5 bilhões no Brasil.

3. Serviços para residências inteligentes

A geração distribuída pode se tornar uma agenda importante também para o mercado consumidor, junto com as tecnologias de armazenamento de energia, que permitem uma independência energética das residências. O Brasil com as altas taxas de iluminação solar em boa parte do território representa um dos principais mercados. O mercado de gestão inteligente de energia para consumidores residenciais (termostatos, controle de ar condicionado etc.) vai crescer com taxa de crescimento anual composta (CAGR) 20% até chegar a US$11 bilhões em 2023.

4. Cidades inteligentes e mobilidade

Parcerias com empresas de serviços, telecomunicações, startups e municípios para fornecer um novo conjunto de serviços públicos de mobilidade/ rastreamento de contatos /controle de doenças. A Bip estima em R$10 bi o mercado da iluminação pública inteligente no Brasil. A mobilidade elétrica pública também será estratégica na gestão das cidades no futuro. Apesar da desaceleração no crescimento da mobilidade elétrica privada, os carros elétricos no mundo vão passar de 1,7 milhões atuais para 8,5 milhões em 2025.



Website: https://bipbrasil.com.br/

Veja também:

Explosão no Líbano: BBC visita epicentro do desastre no porto de Beirute
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade