1 evento ao vivo

Número de falências cresce no Brasil, apesar do empreendedorismo em alta

11 jul 2019
16h00
atualizado em 13/7/2019 às 13h40
  • separator
  • 0
  • comentários

De acordo com uma pesquisa realizada pelo Sebrae, uma empresa a cada quatro tende a fechar antes de completar 2 anos no mercado. Dentre os motivos de falência listados pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas, destacam-se os problemas com impostos, a baixa procura nos produtos ou serviços ofertados, os problemas financeiros, de gestão, entre outros.

Foto: Unsplash / DINO

Apesar da falência vir a ocorrer depois destes indícios de erros nos empreendimentos, ela pode sim ser evitada. Mas é preciso agir. Quando uma empresa está com problemas, reduzir o pessoal ou cortar custos nem sempre é a resposta para corrigi-los. Muitas das vezes, o correto seria passar por uma reengenharia, em que ocorre a reestruturação do negócio, é definido novamente qual é a sua missão organizacional, a cultura da empresa e são redefinidos os processos críticos da atividade de negócio em que atua.

Mas, ainda assim, a reengenharia tem suas falhas. Fato é, que para solucionar problemas de gestão é necessário um pouco mais do que mudar o pessoal e processos. Primeiramente, é importante pensar na aplicação de um modelo de gestão empresarial. Um modelo que seja adequado ao negócio e direcione a empresa para o crescimento, evitando assim gargalos no futuro. O modelo das Organizações de Aprendizagem é popular desde a década de 1990. A principal característica dele é a priorização da educação corporativa, em que os funcionários são treinados e imersos na cultura organizacional da empresa, para posteriormente desenvolverem habilidades e compartilhar conhecimento com todos no local.

Todavia, quando se fala em um modelo de gestão ou métodos para solucionar problemas empresariais, é preciso pensar além: não basta aplicar o modelo, é importante acompanhar como os gestores e colaboradores estão se adequando a ele. Depois, quando ocorrer problemas ou gargalos no modelo de gestão empresarial, basta utilizar ferramentas para solucioná-los. Vicente Falconi, referência na área de consultoria voltada para gestão, destaca que analisar os problemas de uma organização não é um processo rápido, vai desde a identificação das causas e raízes dos problemas organizacionais, até partir para solução propriamente dita.

E o processo para análise de causas pode abranger diferentes metodologias: PDCA, Diagrama de Causa e Efeito, dentre outras. O PDCA, por exemplo, é um ciclo de melhoria contínua que abrange 4 etapas: planejar, executar, verificar e agir. Cada uma delas pode ser aplicada ao realizar uma atividade, refazer um processo ou ainda, executar uma tarefa que exige melhoria contínua. O Diagrama de Causa e Efeito, por sua vez, é utilizado para definir um problema, identificando as causas dele para eliminá-lo.

Quando se pensa em metodologias para resolver gargalos empresariais, é importante se qualificar para depois aplicá-las. A CEFIS, gigante da educação à distância no Brasil, tem um curso sobre Gestão de Negócios em que são abordadas vários métodos e ferramentas para solucionar problemas no âmbito empresarial. A mais de cinco anos no mercado de educação empresarial, a empresa de tecnologia CEFIS vem se destacando, tanto nacionalmente - se juntando a Veduca, eduK no âmbito da educação - quanto internacionalmente.

Em 2018, o CEO da empresa Henrique Andrade decidiu expandi-la para o Vale do Silício, local em que também se localizam Microsoft, Netflix, Intel e Google. A Gestão de negócios da CEFIS está seguindo em ritmo acelerado - segundo o CEO, já passaram mais de 70 mil estudantes pela plataforma de educação da empresa - assim como os assinantes do serviço de assinatura educacional da CEFIS, que podem conferir cursos online não só para aprender como também se qualificar para um mercado empreendedor em alta, evitando assim erros desnecessários que podem levar à falência empresarial ou profissional.



Website: https://cefis.com.br/

DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade