0

App de Recrutamento e Seleção promete reduzir o tempo de desemprego

2 jul 2020
10h40
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Com a Covid-19 o desemprego está se aproximando aos 12% conforme últimos números oficiais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Foto: DINO / DINO

São 10,9 milhões de desempregados a finais de maio. Mas a situação é bem mais grave se considerando que 7 milhões de trabalhadores estão com contrato suspenso ou jornada reduzida. Ademais o IBGE aponta que 17,7 milhões de trabalhadores deixaram de procurar emprego por causa da pandemia. No total são mais de 35 milhões de brasileiros que poderiam trabalhar e que não estão trabalhando.

Em sua grande maioria são pessoas que compõe a mão de obra operacional e que buscam trabalho "porta a porta" deixando seu currículo.

 Foi com o propósito de oferecer uma solução simples e prática que a Nekto foi aprovada no Edital de Inovação do Sebrae: a parceria entre a Nekto, o Sebrae e a UFSM (Universidade Federal de Santa Maria) possibilitou o desenvolvimento de uma Plataforma Digital de Recrutamento e Seleção focada na mão de obra operacional. 

A Nekto nasceu em 2016, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, como resultado de mais de 10 anos de trabalho da Psicóloga Lidiane Bertê em consultoria na área de gestão de pessoas, atendendo pequenas e médias empresas. A Lidiane comenta que "muitas destas organizações não usam nenhum sistema na área de gestão de pessoas, mesmo tendo elevada demanda na área; as soluções que o mercado oferece não atendem às demandas mais operacionais do dia a dia das pequenas empresas". 

Um time de profissionais na área de gestão de pessoas e de tecnologia da informação trabalhou por dois anos desenvolvendo uma solução que pudesse ser utilizada pelas empresas sem a necessidade de grandes tutoriais ou ainda customizações. Foram dois anos de desenvolvimento e 1 de testes com empresas para deixar a plataforma simples e com uma boa usabilidade.  

Trabalhar com pequenas e médias empresas colocou a Nekto frente a um grande desafio, trazer para a plataforma candidatos com perfil mais operacional, pessoas que busquem oportunidades como: caixa de supermercado, padeiro, operador de máquinas, auxiliar de produção, mecânico, etc. Para captar essa mão de obra para a plataforma, a Nekto desenvolveu um aplicativo, que já está disponível na versão Android. Lidiane explica que "essa mão de obra tradicionalmente usou o currículo impresso como ferramenta para se candidatar nas empresas, por isso a criação de um aplicativo que possibilite que tenham em seus celulares seus currículos é de grande valor".

A Nekto irá possibilitar que esses candidatos que sempre acessaram vagas de emprego somente através da presença física, possam acessar a vagas de diferentes lugares através de um aplicativo e com ele, possam se candidatar de forma simplificada em qualquer oportunidade.  

Em mais um passo de crescimento, a Nekto possibilitará que as empresas acessem esse banco de talentos através de API que integre esse banco de mão de obra operacional com os sistemas das empresas. Jean Clément, sócio e responsável pela área comercial da Nekto completa: "A NEKTO, com seu App, está focada em trabalhar para o candidato. Nós prometemos ao candidato maiores possibilidades para reduzir seu tempo de permanência no desemprego. O resultado é bom para o candidato e a empresa que encontra mais rapidamente o candidato ideal. É um approach focado no humano, onde está a verdadeira dor, a dor do desemprego".

A NEKTO nasceu focada nas pequenas e médias empresas, mas acabou desenvolvendo uma solução que vai atender todas as empresas que demandam de mão de obra operacional. Ela promete grandes novidades num futuro próximo, por meio de uma parceria que começa a ser construída, com uma empresa internacional do mesmo ramo.



Website: https://nekto.com.br/

Veja também:

Por apoio à CPMF, Guedes vai propor cortar à metade tributos sobre salários
DINO Este é um conteúdo comercial divulgado pela empresa Dino e não é de responsabilidade do Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade