1 evento ao vivo

De olho em 2022, Daciolo tenta recriar partido de Enéas

Candidato à Presidência em 2018, ex-bombeiro tenta refundar Prona

7 dez 2019
13h41
atualizado às 13h47
  • separator
  • 0
  • comentários

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro corre contra o tempo para criar seu partido a tempo de disputar as eleições municipais de 2020, o ex-presidenciável Cabo Daciolo não tem pressa com seu projeto de poder. Depois de receber 1,3 milhão de votos e superar Marina Silva (Rede), Henrique Meirelles (MDB) e Álvaro Dias (Podemos) na disputa presidencial de 2018 (com menos de R$ 10 mil investidos), o ex-deputado e cabo do Corpo de Bombeiros deixou o Patriotas e nesse sábado (7)  liderou a convenção nacional de refundação do Prona (Partido da Restaruação da Ordem Nacional).

De olho em 2022, Daciolo tenta recriar partido de Enéas
De olho em 2022, Daciolo tenta recriar partido de Enéas
Foto: LANCE!

A ideia, segundo ele, é começar agora a coleta de assinaturas para reerguer até 2022 a sigla criada pelo icônico ex-deputado Enéas Carneiro.

"Eu profetizo: serei presidente da República com 51% dos votos", disse Daciolo para uma plateia de cerca de 50 pessoas em um longo discurso no púlpito da Igreja da Unificação Mundial do Cristianismo, em Pinheiros, onde ocorreu a convenção do novo Prona. O local foi decorado com totens de Enéas em tamanho real, banners com a imagem do ex-presidenciável, que morreu de câncer em 2007, e faixas com o slogan "Nós temos fé no Brasil. Daciolo 56".

No fim de seu discurso, o ex-deputado chamou para o palco o vice - presidente do Prona, João Vitor Sparano, e a ex-deputada Patrícia Lima, que foi secretária de Enéas e uma de suas herdeiras políticas.

"Eu não vou assumir a presidência do partido, que fica com você, Patrícia. Vocês nem conseguem falar comigo", disse Daciolo mostrando o seu celular modelo antigo e arrancando risos da plateia. Em 2018, o então candidato, que anda sempre com uma bíblia na mão, se isolou uma montanha em plena campanha para orar.

O novo Prona vai ter que passar por todo o ritual de criação de partidos do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) porque a versão original do partido se fundiu com o PR em 2006, um ano antes da morte de Enéas.

Nos registros do TSE dois grupos tentam se registrar com o nome Prona. O de Daciolo, que conta com o apoio da ex-deputada e braço direito de Enéas, Havanir Nimitz, e outro do Rio de Janeiro.

"O Prona atende a tudo que o Daciolo pensa. Getúlio (Vargas) e Enéas são as grandes inspirações da minha vida", disse Daciolo, sempre se referindo a sí próprio na terceria pessoa.

Há, porém, uma divergência com o "legado" de Enéas. Para o ex-deputado a bomba atômica, uma obsessão do fundador do Prona, não é uma agenda prioritária.

Fiel ao seu estilo, Cabo Daciolo fez um discurso repleto de passagens bíblicas e teorias conspiratórias. "A nova ordem mundial serve ao mal. Vem para matar, roubar e destruir. Querem trazer esse caos da América do Sul para o Brasil".

Críticas a Bolsonaro

O governo Bolsonaro também foi alvo de duras críticas do ex e futuro presidenciável. "A maçonaria comanda tudo e o alicerce desse governo é a maçonaria. O general Mourão, que grão mestre, está louco para sentar na cadeira do Bolsonaro. Tem também o Paulo Guedes. O Bolsonaro está cercado de inimigos ao redor".

Um ponto que uniu Daciolo ao ideário de Enéas foi o nacionalismo exacerbado. O novo Prona defende a reestatização de empresas privatizadas, mas rejeita o rótulo de esquerda.

"Esse papo de esquerda e direita é uma grande mentira. Querem dividir para conquistar. São amiguinhos. Como se transforma isso Daciolo? Da forma sobrenatural, a forma de Deus", disse Daciolo ao Estado.

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade