PUBLICIDADE

Política

Tufão deixa pelo menos sete mortos e milhares de desabrigados nas Filipinas

28 mai 2024 - 11h22
Compartilhar
Exibir comentários

Um tufão finalmente se afastou das Filipinas, deixando pelo menos sete pessoas mortas, a maioria devido a inundações ou árvores derrubadas, e forçando o fechamento de vários portos, deixando milhares de passageiros presos, disseram as autoridades nesta terça-feira, 28.

O tufão Ewiniar passou pela costa oriental do país na sexta-feira (24) à noite, e permaneceu sobre o país durante vários dias, antes de se afastar do arquipélago em direção a nordeste. Todos os alertas de tempestade foram suspensos. A mudança de direção do tufão poupou a capital densamente povoada, Manila, de um impacto potencialmente prejudicial.

Conhecido localmente como Aghon, o tufão foi rastreado pela última vez a cerca de 450 quilômetros a leste da cidade de Basco, na província de Batanes, com ventos contínuos de 130 km/h e rajadas de até 160 km/h, segundo os meteorologistas do governo.

Pelo menos seis aldeões afogaram-se nas enchentes ou morreram depois de terem sido atingidos pela queda de árvores durante o dilúvio repentino na província de Quezon, duramente atingida, informou a polícia provincial. No sul da província de Misamis Oriental, uma aldeã morreu quando uma árvore caiu e atingiu um mototáxi em que ela viajava com a irmã quando iam para a escola, segundo a polícia.

Muitas aldeias foram inundadas por cheias repentinas. Em Lucena, a capital da província de Quezon, algumas áreas baixas ficaram submersas em 2,4 metros de água. As inundações deveram-se, em parte, ao entupimento dos sistemas de drenagem após um verão extremamente quente, disseram a governadora de Quezon, Angelina Tan, e outras autoridades provinciais. Ela afirmou que muitas casas, incluindo a dela, foram danificadas pelos fortes ventos e pelas chuvas torrenciais. O tufão obrigou-a a procurar abrigo em outro local, enquanto supervisionava a distribuição de alimentos e outras ajudas aos aldeões desalojados, disse a governadora.

Antes de viajar para o Brunei para uma visita de Estado, o presidente Ferdinand Marcos Jr. disse que mais de 26.700 pessoas foram afetadas pelo tufão, incluindo muitas que fugiram para centros de evacuação em cinco regiões provinciais. Três aeroportos e 29 portos não puderam funcionar normalmente devido ao tufão, enquanto seis cidades e vilas tiveram cortes de energia, afirmou.

Mais de 4.800 passageiros, motoristas de caminhão e ajudantes de carga ficaram retidos por alguns momentos devido ao fechamento de portos enquanto o tufão assolava as províncias do sul e centro, disse a guarda costeira filipina. "Mesmo antes de o tufão chegar, transportamos mercadorias de ajuda humanitária para locais próximos da trajetória esperada do tufão, por isso estavam todos prontos, disse Marcos Mesmo antes da chegada do tufão, transportamos bens de socorro para locais próximos da trajetória prevista do tufão, pelo que estavam todos preparados", disse Marcos.

Cerca de 20 tufões e tempestades atingem anualmente o arquipélago filipino. Em 2013, o tufão Haiyan, um dos mais fortes de que se há registro, deixou mais de 7 300 mortos ou desaparecidos, arrasou aldeias inteiras, arrastou navios para o interior e desalojou mais de 5 milhões de pessoas na região central das Filipinas. Fonte: Associated Press.

Este conteúdo foi traduzido com o auxílio de ferramentas de Inteligência Artificial e revisado por nossa equipe editorial. Saiba mais em nossa Política de IA em www.estadao.com.br/link/estadao-define-politica-de-uso-de-ferramentas-de-inteligencia-artificial-por-seus-jornalistas-veja/ .

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade