4 eventos ao vivo

SP: à Comissão da Verdade, ex-soldado revela execução de casal

O ex-soldado do Exército Valdemar Martins de Oliveira contou detalhes da execução do casal João Antônio dos Santos Abi-Eçab e Catarina Abi-Eçab, em 1968

16 mai 2013
22h51
atualizado em 17/5/2013 às 06h50
  • separator
  • 0
  • comentários

O ex-soldado do Exército Valdemar Martins de Oliveira contou nesta quinta-feira, em depoimento à Comissão da Verdade do Estado de São Paulo, detalhes da execução do casal João Antônio dos Santos Abi-Eçab e Catarina Abi-Eçab, militantes da Ação Libertadora Nacional (ALN) mortos em 1968.

O ex-soldado do Exército Valdemar Martins de Oliveira contou detalhes da execução do casal João Antônio dos Santos Abi-Eçab e Catarina Abi-Eçab, em 1968
O ex-soldado do Exército Valdemar Martins de Oliveira contou detalhes da execução do casal João Antônio dos Santos Abi-Eçab e Catarina Abi-Eçab, em 1968
Foto: Marcelo Camargo / Agência Brasil

Veja história de alguns dos desaparecidos da ditadura

Segundo Oliveira, os dois estudantes de filosofia foram mortos pelo coronel Freddie Perdigão, apontado como um dos criadores do Departamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (Doi-Codi). “Ele se abaixou, quase de joelhos, e deu um tiro na cabeça de cada um”, disse, detalhando que Perdigão usou uma pistola Colt 45.

Oliveira garante ter participado de toda a operação que resultou na execução do casal, desde a captura em uma casa no bairro de Vila Isabel, na zona norte do Rio de Janeiro, até os dois serem levados para um sítio à margem da Via Dutra, onde foram mortos. 

Segundo ele, antes da execução, o casal foi torturado em uma chácara em São João do Meriti, na Baixada Fluminense. “Um lugar tenebroso”, descreveu.

Algum tempo depois da execução, Oliveira disse que deixou o Exército por não concordar com aquele tipo de violência, e que chegou a passar um ano no Chile para escapar das perseguições dos militares. Em 1998 foi reintegrado, sendo dispensado no ano seguinte.

A versão oficial da época atribuiu a morte do casal Abi-Eçab à detonação de explosivos que os dois estudantes transportavam enquanto viajavam de carro pela BR-116, no trecho próximo a Vassouras. 

Em 2000, porém, o laudo da exumação dos restos mortais mostrou que os dois foram executados. Militantes da Ação Libertadora Nacional, o casal era suspeito de ter participado da execução do capitão do Exército norte-americano Charles Rodney Chandler, em 12 de outubro de 1968.

De acordo com Oliveira, também participou da operação de sequestro e execução do casal o sargento Guilherme do Rosário, que morreu no atentado do Riocentro, quando a bomba que carregava explodiu em seu colo, dentro do carro.

O soldado reforçou a ligação de Rosário com o coronel Perdigão, apontado como mentor do atentado a bomba malsucedido ao Riocentro, onde ocorria o show comemorativo do Dia do Trabalho, em 1981. O coronel Perdigão morreu em 1997.

Em seu depoimento, Oliveira destacou ainda a participação de agentes dos Estados Unidos na doutrinação de soldados brasileiros. Segundo ele, nos treinamentos, foram exibidos filmes de torturas cometidas pelos norte-americanos na Guerra do Vietnã. 

Agência Brasil Agência Brasil
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade