PUBLICIDADE

Nome de Bolsonaro em SP, Tarcísio discorda de presidente sobre vacinação

Em sabatina, pré-candidato a governador repercutiu a mais recente crise institucional com o STF

5 mai 2022 12h25
| atualizado às 12h33
ver comentários
Publicidade
Tarcísio de Freitas
Tarcísio de Freitas
Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil / Estadão

Tarcísio de Freitas (Republicanos), ex-ministro da Infraestrutura e nome de Jair Bolsonaro (PL) para disputar o governo de São Paulo nas eleições, diz discordar da opinião do chefe do Executivo a respeito da vacinação contra covid-19.

Enquanto Bolsonaro declara não ter se vacinado, Tarcísio afirmou que, tanto ele quanto sua família, estão imunizados contra a doença. "Eu me vacinei, vacinei minha família e achava que estava fazendo a coisa certa", contou durante sabatina do Uol/Folha nesta quinta-feira, 5.

Tarcísio, no entanto, elogiou a postura do governo federal em comprar vacinas. "Eu acho que a gente tomou a atitude correta e fez a narrativa errada", completou, em menção ao discurso negacionista do presidente.

Aliado de Bolsonaro, o ex-ministro também elogiou o chefe do Executivo. "Não tenho a mesma aptidão política do presidente, eu não sou um fenômeno como o presidente é".

Ainda sobre a pandemia, o pré-candidato fez críticas ao governo de João Doria (PSDB), seu adversário no pleito. "Fechou [estabelecimentos] muita coisa de forma desnecessária, sem considerar realmente o perfil da pandemia em cada uma das regiões, sem considerar o perfil de cada um dos negócios".

Paulista na atitude

Questionado sobre o fato de ter nascimento no Rio de Janeiro e lançar candidatura em São Paulo, Tarcísio disse ser um paulista na atitude, "em termos de estar inserido dentro da cultura do estado de São Paulo", pontuou.

Crise institucional

Diante do tensionamento entre o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o Supremo Tribunal Federal (STF), o pré-candidato ao governo de São Paulo Tarcísio de Freitas (Republicanos) minimizou os atritos ao dizer que "acirramentos na democracia são comuns".

No entanto, Tarcísio reforça que a harmonia e a independência entre os Poderes devem ser respeitadas. Ele apontou que ocorrem momentos de maior estresse, mas "logo depois você tem o período de volta à calma, volta ao diálogo. Então isso faz parte da essência democrática".

"Entendo que a gente tem que respeitar a harmonia e independência dos Poderes, isso tem que ser muito claro e praticado e exercido por todos", completou.

Daniel Silveira

Sobre a graça constitucional concedida por Bolsonaro ao deputado Daniel Silveira (PTB-RJ), condenado a 8 anos e 9 meses de prisão pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por declarações e ameaças contra os ministros da Corte, Tarcísio disse que, apesar das críticas, o presidente "não fez nada mais que usar um remédio constitucional".

Em relação aos ataques do chefe do Executivo aos ministros do Supremo, o pré-candidato disse que "muitas vezes ele Bolsonaro se defende e a defesa é considerada ataque".

* Com informações do Estadão Conteúdo

Fonte: Redação Terra
Publicidade
Publicidade