PUBLICIDADE

Política

Moraes coloca em liberdade, com tornozeleira, influenciador que ameaçou Lula e ministros do STF

Ele deverá cumprir uma série de contrapartidas, como entregar passaporte, ficar fora das redes sociais e ficar em casa à noite

28 out 2023 - 13h06
(atualizado às 14h03)
Compartilhar
Exibir comentários
Presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes
Presidente do TSE, ministro Alexandre de Moraes
Foto: BRUNO ROCHA / Estadão

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), colocou em liberdade provisória o influenciador bolsonarista Ivan Rejane Fonte Boa Pinto, preso preventivamente depois de divulgar vídeos com ameaças ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e aos ministros da Corte.

Ele deverá cumprir uma série de contrapartidas, como entregar passaporte, ficar fora das redes sociais, usar tornozeleira eletrônica e ficar em casa no período noturno e nos finais de semana. Se alguma medida cautelar for violada, a prisão pode ser decretada novamente.

O influenciador estava preso desde julho do ano passado. A Procuradoria-Geral da República (PGR) defendeu a revogação da preventiva por considerar que ele já não representa risco à investigação.

"Considerando o avanço das investigações e a manifestação da Procuradoria-Geral da República, vejo que é possível a substituição da prisão preventiva anteriormente decretada por medidas cautelares", escreveu Moraes. O ministro também deu 30 dias para a Polícia Federal (PF) concluir o inquérito.

Ao pedir a prisão, a PF apontou indícios dos crimes de associação criminosa e abolição violenta do Estado Democrático de Direito. Os policiais alegaram ver risco de que o discurso do influenciador inflamasse 'atos extremos contra a integridade física de pessoas politicamente expostas'.

Em um dos vídeos publicados nas redes, Pinto diz que vai 'invadir' e 'destituir' o STF e 'pendurar os ministros de cabeça pra baixo'. Ele também promete 'caçar' os ministros, o presidente Lula, a deputada Gleisi Hoffmann (PT-PR) e o deputado Marcelo Freixo (PSB-RJ).

O influenciador também era administrador de um grupo no Telegram, chamado Caçadores de ratos do STF, o que levou ao seu indiciamento por associação criminosa. A Polícia Federal tentou identificar outros participantes, mas esbarrou na política de privacidade do aplicativo de mensagens e não conseguiu levantar a lista completa dos membros, o que pode colocar em xeque parte da denúncia. A Procuradoria-Geral da República, responsável por apresentar as acusações ao final do inquérito, já sinalizou que, sem a identificação dos aliados, não seria possível confirmar a existência de uma associação criminosa.

Estadão
Compartilhar
Publicidade
Publicidade