2 eventos ao vivo

Militares dão tranquilidade para dirigir País, diz Bolsonaro

Em solenidade, presidente afirma que militares são 'o grande elo' que garante liberdade à população

6 ago 2020
12h00
atualizado às 12h15
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Ao participar da solenidade de promoção de oficiais-generais do Exército, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira, 6, que as Forças Armadas dão "uma certa tranquilidade" para ele conduzir o País. Segundo Bolsonaro, os militares são "o grande elo" que garante liberdade à população.

Militares dão tranquilidade para dirigir País, diz Bolsonaro
Militares dão tranquilidade para dirigir País, diz Bolsonaro
Foto: DW / Deutsche Welle

"O que o povo sempre teve das Forças Armadas, além da garantia de lei e da ordem, foi a certeza da sua liberdade. Este é o bem maior que interessa a todos nós e, nesta corrente, o grande elo são as Forças Armadas, são o nosso Exército brasileiro", discursou Bolsonaro na cerimônia.

O presidente também enalteceu a importância da confiança da sociedade nas Forças Armadas. "Por isso, em grande parte, a confiança nessa instituição. Por isso, em grande parte, uma certa tranquilidade que eu tenho em dirigir, em conduzir o País para o seu destino que todos nós queremos", afirmou.

Desde o início do governo Bolsonaro, o número de militares que ocupam cargos civis no governo federal mais do que dobrou, de acordo com um levantamento do Tribunal de Contas da União (TCU). Segundo o relatório, a quantidade de militares - tanto da ativa quanto da reserva - passou de 2.765, em 2018, para 6.157, em 2020.

Contudo, a presença de militares, especialmente da ativa, tem gerado desconforto entre generais das Forças Armadas. Na visão deles, o distanciamento que a instituição precisa ter da atividade política fica prejudicado pela participação de membros da ativa na gestão Bolsonaro. Diante do quadro, há pressão para que o general Eduardo Pazuello, atualmente no comando do Ministério da Saúde, opte entre ir para a reserva ou sair do cargo de ministro interino.

A mesma pressão foi exercida sobre o ministro da Secretaria de Governo, general Luiz Eduardo Ramos, cuja transferência para a reserva foi publicada no Diário Oficial da União na quinta-feira. Ele é responsável pela articulação política do governo.

Veja também:

Em meio à pressão por impeachment de Bolsonaro, Aras insinua 'estado de defesa'
Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade