PUBLICIDADE

Política

Após aval de Alexandre Silveira, filho de ministro do TCU é eleito em conselho com salário de R$ 86,5 mil

Vital do Rêgo Neto vai cumprir um mandato de quatro anos no conselho da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE)

24 abr 2024 - 18h09
(atualizado às 18h13)
Compartilhar
Exibir comentários
Resumo
Vital do Rêgo Neto, filho do ministro do TCU e sobrinho do vice-presidente do Senado, foi eleito para compor o conselho da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), com apoio do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira.
Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira
Ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira
Foto: Joédson Alves/Agência Brasil

Com o apoio do ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, o advogado Vital do Rêgo Neto, que é filho do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU), ganhou uma vaga no conselho da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) na terça-feira, 23, conforme informou o jornal O Globo. A entidade privada é responsável pelo gerenciamento da compra e venda de energia no Brasil.

O advogado, que também é sobrinho do vice-presidente do Senado, Veneziano Vital do Rêgo (MDB-PB), irá cumprir um mandato de quatro anos, recebendo o salário de R$ 86,5 mil. Na eleição, o advogado disputou a vaga com o engenheiro Marco Delgado, que já era conselheiro da CCEE e foi cotado para a reeleição. 

Com passagem pela assessoria da diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Vital do Rêgo Neto é graduado em Direito pela Universidade de Brasília (UnB) e mestre em Direito da Energia pela Universidade de Sorbonne.

De acordo com a publicação, o advogado reconheceu a existência de uma 'relação amistosa' entre a família e o ministro Alexandre Silveira 'por força do convívio político'. No entanto, ele negou que isso teria influência no processo. 

Vital Neto ainda afirmou que a indicação de seu nome partiu do próprio Ministério de Minas e Energia e endossado por 'vários nomes do setor' devido ao trabalho desenvolvido anteriormente.

Fonte: Redação Terra
Compartilhar
Publicidade
Publicidade