PUBLICIDADE

Política

Aécio anuncia Aloysio Nunes Ferreira como vice à Presidência

30 jun 2014 - 11h49
(atualizado às 14h29)
Compartilhar
Exibir comentários
<p>O candidato do PSDB &agrave; Presid&ecirc;ncia da Rep&uacute;blica, A&eacute;cio Neves, anunciou nesta segunda-feira o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira (SP) como vice de sua chapa. A decis&atilde;o foi comunicada na sede do partido, em Bras&iacute;lia, no &uacute;ltimo dia do prazo estipulado pela Justi&ccedil;a Eleitoral</p>
O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, anunciou nesta segunda-feira o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira (SP) como vice de sua chapa. A decisão foi comunicada na sede do partido, em Brasília, no último dia do prazo estipulado pela Justiça Eleitoral
Foto: Agência Brasil

O candidato do PSDB à Presidência da República, Aécio Neves, anunciou nesta segunda-feira o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira (SP) como vice de sua chapa. A decisão foi comunicada na sede do partido, em Brasília, no último dia do prazo estipulado pela Justiça Eleitoral.

Aloysio Nunes, 69 anos, foi o senador mais votado em São Paulo em 2010, com 11,1 milhões de votos. Ele ocupa a posição de líder do PSDB no Senado. A entrada do congressista na chapa evidencia a busca do partido por fazer uma votação expressiva em São Paulo, onde a legenda ocupa o governo do Estado.

Vice-governador de São Paulo na gestão de Luiz Antônio Fleury Filho (1991-1995), Aloysio acumulou na época o cargo de Secretário de Transportes Metropolitanos. Tem trânsito na Câmara dos Deputados, onde foi deputado pelo PMDB e pelo PSDB. O tucano participou do governo Fernando Henrique Cardoso, onde foi ministro-chefe da Secretaria Geral e da Justiça. Antes de ser senador, atuou como chefe da Casa Civil do governo do Estado na gestão de José Serra.

No anúncio, Aécio fez elogios ao colega senador, que considera capaz de assumir a Presidência em qualquer eventualidade. "Aloysio Nunes não é alguém apenas para ser vice-presidente da República, é um homem que em qualquer eventualidade está preparado para assumir o Brasil. A sua qualidade intelectual inegável, sua postura política irretocável (…) fizeram com que nós chegássemos a essa decisão", disse.

O presidenciável negou que tenha segurado até o último momento a vaga de vice para tentar conseguir apoio de outros partidos à candidatura e que a indicação do senador por São Paulo seja uma forma de reduzir divergências com o ex-governador José Serra.

<p>Aloysio Nunes, 69 anos, foi o senador mais votado em S&atilde;o Paulo em 2010, com 11,1 milh&otilde;es de votos. Ele ocupa a posi&ccedil;&atilde;o de l&iacute;der do PSDB no Senado</p>
Aloysio Nunes, 69 anos, foi o senador mais votado em São Paulo em 2010, com 11,1 milhões de votos. Ele ocupa a posição de líder do PSDB no Senado
Foto: Agência Brasil

"Jamais buscamos qualquer aliança que negociasse posto no governo. Eu teria de andar muito pelo Brasil, mais do que tenho andado, para achar um vice como Aloysio", disse. "O Serra, hoje, talvez seja um dos interlocutores mais próximos que tenho. (...) O PSDB está mais unido do que nunca e é por isso que vamos vencer essas eleições", continuou o candidato.

Na reunião, o PSDB confirmou os sete partidos que vão apoiar a candidatura: DEM, Solidariedade, PTB, PTC, PTN, PMN e PTdoB. "Não será uma campanha de um partido, mas de um conjunto de forças políticas", disse Aécio.

Além de Aloysio, os nomes do ex-governador do Ceará Tasso Jeireissati e da ex-ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Ellen Gracie, ambos do PSDB, eram cotados para a vaga de vice. O nome do cearense, fora da política desde 2010, era citado pela tentativa do PSDB em conseguir um palanque forte no Nordeste, acertado com o senador Eunício Oliveira (PMDB), que vai concorrer ao governo. Tasso, por sua vez, vai disputar uma vaga ao Senado.

Temperamento

No anúncio da candidatura, Aloysio Nunes foi questionado se um recente vídeo em que se irrita com um militante do PT, Rodrigo Grassi, poderia ser usado contra ele durante a campanha. O congressista disse não ter reagido bem ao que chamou de provocação do petista. Grassi, conhecido como Rodrigo Pilha, abordou o senador para questioná-lo sobre a postura do PSDB ao tentar evitar investigações na Assembleia Legislativa de São Paulo.

"Fui vítima de uma provocação insolente para alguém que estava lá apenas para jogar uma casca de banana no meu caminho e eu pisei nesta casca de banana. Eu devia ter adotado uma postura zen. Infelizmente não existe ainda transplante de alma, se eu pudesse, transplantaria a alma do Dalai Lama", brincou.

Presidente do DEM coordenará campanha

Aécio Neves também anunciou que o presidente do DEM, senador José Agripino Maia, será o coordenador-geral de sua campanha. Para o candidato, a escolha demonstra uma "união dos partidos aliados".

Fonte: Terra
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade